Rede aleluia
“Fui preso seis vezes por tráfico e assalto”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Janeiro de 2021 - 18:48


“Fui preso seis vezes por tráfico e assalto”

Com infância marcada pela miséria, Jonathan Santana escolheu maus caminhos

“Fui preso seis vezes por tráfico e assalto”

O jovem Jonathan da Silva Santana, de 25 anos (foto acima), teve sua vida marcada pela falta do pai e do carinho de sua mãe. “Eu vivia trancado dentro de casa, sem poder brincar com outras crianças. Comecei a pular a janela de casa, afinal, não tinha atenção e carinho da minha mãe.”

Ainda criança, Jonathan percebeu a dificuldade financeira que sua família enfrentava e por isso cresceu um jovem revoltado. “Minha mãe não tinha condições de comprar um pacote de bolacha para a gente. Vendo uma situação de miséria na minha casa, eu comecei a praticar furtos em supermercados.”

Para aliviar as frustrações, ele passou a usar drogas aos 12 anos. “Eu vi que estava abandonado pelo meu pai e minha mãe tinha que criar os sete filhos sozinha, então procurei algo para tentar esquecer os problemas. Com isso, comecei a fumar cigarro e maconha e a usar a cocaína.”

Pouco tempo depois, Jonathan já se encontrava no crime. Ele atuava no tráfico de drogas e em grandes assaltos, o que lhe trouxe graves consequências. “Após alguns anos envolvido no crime, fui preso seis vezes por tráfico e assalto. Lá dentro eu caí em depressão, a ponto ficar seis meses sem dormir direito, sendo perturbado por visão de vultos, tanto que tinha medo de usar o banheiro à noite.”

Apenas Jonathan sabia o que se passava em sua vida e em seu interior, pois, para outras pessoas, ele disfarçava seu sofrimento. “Eu era completamente vazio. Mesmo tendo muitos amigos, mulheres, drogas e atenção das pessoas, alguma coisa estava faltando dentro de mim. A alegria era passageira e depois me deparava com uma dor profunda.”
Ele revela que se deparou com um poço sem fundo. “Percebi que estava na ruína quando parei para observar à minha volta: família desunida e eu tinha dinheiro, mas sem paz e sem poder andar na rua de cabeça erguida. Foi quando eu disse que não queria mais e decidi procurar ajuda na Igreja”, afirma.

Sua mãe já buscava por ele na Universal, porém ele recebeu um convite de um amigo do tráfico. “Fui com um pouco de receio, pois não gostava de igrejas, mas, ao chegar lá, ouvi uma palavra de paz e isso era a única coisa que eu queria na minha vida.”

Depois daquele dia, Jonathan teve seus dias transformados. Deixou as drogas, as antigas amizades e os maus hábitos. Decidiu se batizar nas águas e perdoar quem tinha lhe feito mal. “O que Deus fez na minha vida não tem preço que pague. Hoje sou um homem muito feliz e realizado. Tenho paz, que é promovida pelo Espírito Santo dentro de mim. Estou casado e hoje faço parte da Obra de Deus”, finaliza ele, que ajuda outros jovens e famílias que enfrentam os problemas que ele viveu.


“Fui preso seis vezes por tráfico e assalto”
  • Camila Teodoro / Fotos: Cedidas e Mídia FJU/Belo Horizonte 


reportar erro