Rede aleluia
Está pensando em desistir?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de Janeiro de 2021 - 00:05


Está pensando em desistir?

Repense. A saída que você ainda não vê está na Fé, como muitos entenderam

Está pensando em desistir?

Infelizmente, muitos empreendedores chegam àquele temido ponto de fechar as portas. Os clientes não aparecem mais, as contas não fecham e o desânimo bate. É o fim. Em 2020, de cada dez empresas que encerraram suas atividades, quatro foram em razão da pandemia do novo coronavírus, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Só 25% das empresas sobrevivem por mais de dez anos no País.

Por que tantos desistem? “Normalmente, alguém para por não ter um propósito bem definido. Por isso, quando menos espera, está parado no meio do caminho. Sem perseverar até o fim, nunca realizará algo”, diz o Bispo Leandro Zangarini, responsável pelo Congresso para o Sucesso, em uma das palestras que acontecem às segundas-feiras no Templo de Salomão, em São Paulo. “Se você der ouvidos ao que é negativo, vai morrer sem realizar seu sonho. Decida seguir seu propósito de vida custe o que custar e diga a si mesmo que vai cumprir esse objetivo. Quando o desânimo bater, você precisa se lembrar do que lhe fez começar a caminhada”, afirma o Bispo. “Não importa se ninguém de fora acredita, pois Deus e nós acreditamos e já é suficiente. Defenda sua Fé, não deixe que ela se abale por coisas pequenas”, diz.

“Foi tudo pela fé”
Um bom exemplo do que o Bispo Zangarini cita vem das sócias Renata Bastos, de 24 anos, e Luciane Mattevi, de 22 (foto a dir.), de Gravataí, no Rio Grande do Sul, que em dois anos já possuem um salão de beleza, um estúdio fotográfico e uma empresa de marketing digital. “Desde o começo, tudo e todos diziam para desistirmos de nosso sonho e o descrédito era grande por sermos muito jovens”, diz Renata. Segundo ela, no início, as duas não tinham experiência nem dinheiro para investir em um negócio: “eu trabalhava só com fotos e Luciane nem tinha começado. Foi tudo pela Fé”. A ideia delas, a princípio, era só abrir um salão de estética. “Fomos ver uma loja para alugar e gostamos muito, mas era necessária uma quantia como caução (garantia inicial para locação) e ter fiador. Pensamos: ‘já era’, pois nem de longe tínhamos nada daquilo.”

No caso delas, as palavras negativas e a vontade de desistir vieram logo no começo. Só que elas, firmes na Fé e cientes do que Deus proporciona aos que querem prosperar nEle, resolveram orar, como diz Renata: “aconteceu algo surpreendente: o proprietário permitiu que ocupássemos o imóvel e que começássemos a pagar o aluguel assim que o negócio começasse a render”.

Renata explica que o começo foi difícil e atribui a Deus o sucesso da empreitada. “Em oração, entendemos o que era preciso fazer”, conta. “Vendemos a maioria de nossas roupas em um brechó e compramos cadeira e espelho e ganhamos de nossos pais uma bancada e o caixa. Em dois anos, pela Fé, conquistamos não só mais mobília e equipamentos, mas também cursos que fazemos a toda hora. Estamos bem cientes de que sem Deus nada disso teria acontecido.”

Luciane também se lembra da fase de “escuridão”: “não havia clientes, ninguém marcava nada nem entrava para comprar nem um batom”. Os clientes começaram a aparecer, mas ainda era preciso que entrasse dinheiro para manter tudo. Fluentes na língua das mídias sociais, elas decidiram abrir uma agência de marketing digital para empresas. “Não tínhamos condições de pagar o aluguel, então pensamos nesse negócio para ajudar a obter o dinheiro. Deu certo. Nossos clientes dizem que não querem outros profissionais cuidando de suas imagens na internet”, diz Luciane, que hoje faz o curso superior de marketing.

Mas, como para muitos empresários, a crise do começo não foi a única. “Durante a pandemia, apesar da Fé, o lado humano falou alto e tivemos medo”, confessa Luciane. “Vimos salões grandes falindo e o nosso movimento até caiu no início, mas nunca nos faltou nada. Pelo contrário, foi o momento em que mais investimos e conquistamos novos clientes. Alugamos a loja ao lado para ampliar o salão e contratamos mais dois profissionais.” A experiência de Renata com fotografia gerou mais uma empresa para o grupo em 2020, integrada ao salão e ao marketing. “Queremos mais negócios em vários segmentos”, finaliza. Como ter essa força para prosperar mesmo nas maiores crises? Descubra no Congresso para o Sucesso, que ocorre na Universal.


Está pensando em desistir?
  • Marcelo Rangel / Fotos: Cedidas 


reportar erro