Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Núbia Siqueira | 20 de junho de 2018 - 03:00


Se conhecer para se corrigir

A vida moderna é uma constante agitação. O imediatismo, as pressões e as cobranças para se vencer, ser feliz e aproveitar todos os momentos, acabam por distrair o ser humano de tal forma que, a maioria das pessoas não consegue o precioso tempo de ficar a sós consigo mesmas. Porém, somente na reflexão silenciosa da alma que cada um se depara com sua própria essência e se enxerga como realmente é.

A pergunta simples: “QUEM SOU EU?”, é a mais difícil questão a ser respondida.

Ela não significa simplesmente seu nome, estado civil ou sua profissão, mas diz respeito ao que compõe sua personalidade, seu caráter e todo seu ser. As pessoas gastam tempo para ter uma formação profissional, para aprender algo novo ou para melhorar à aparência, mas poucas se esforçam para descobrir porque passa todo tempo remoendo o que fez ou planejando o que pretende fazer. Elas não se atentam que suas atitudes, normalmente, são dirigidas por sentimentos, como inveja, medo, angústia, ciúme, desejo de vingança, ansiedade ou raiva.

Como pode, às vezes, uma pessoa de fora, conhece mais você que você mesma?

Certa vez, o Senhor Jesus disse: “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”( Jo 8.32). Esta Verdade, primeiramente é compreendida como a Palavra de Deus, que ilumina o entendimento humano e o liberta de todas as suas prisões espirituais. Mas ela pode se estender também a “conhecer a verdade interior” de cada um. Muitas mentiras podem estar escondidas dentro de uma pessoa, como: ela se valoriza demais, e por isso, se impõe sobre outros com aspereza ou do lado oposto, ela se valorize de menos, e se deprecia julgando-se como um nada. Dentro da alma ainda pode estar a alienação de pensar que a culpa dos seus sofrimentos é sempre de terceiros. Como por exemplo: “Se meu marido não tivesse me abandonado, minha vida seria diferente.”; “Se meu ex-patrão não tivesse me despedido, não teria cometido esses erros.” Ou seja, há mulheres que passam toda a vida atribuindo a outros a responsabilidade do seu fracasso.

No processo do autodescobrimento, você pode se deparar com uma pessoa bem diferente do que julgava ser. Pode doer, porque você verá suas piores falhas, mas isso faz parte do processo da cura da sua alma. Saiba que, não há como alcançar a verdadeira felicidade, sem percorrer esse caminho. E caminhando por ele você desenvolverá novas percepções sobre si mesma e virtudes que tanto precisa para lidar com os desafios da vida. Esse discernimento fará você se antecipar as suas fraquezas, a fazer uso dos seus pontos fortes, afinal todos têm qualidades, e dará condições de corrigir os defeitos que antes não enxergava ou não conseguia mudar.

Afinal, quem pode se considerar verdadeiramente livre, se não tem poder sobre seus impulsos e emoções, se não consegue se manter afastado das paixões, vícios e sentimentos que aprisionam a alma, não é mesmo?

Continuaremos na próxima semana. Até lá!


  • Núbia Siqueira  


reportar erro