Rede aleluia

Núbia Siqueira | 11 de setembro de 2019 - 07:56


O que você tem cantado ultimamente?

Há alguns anos, temos ouvido os cientistas afirmarem que a música tem um grande poder no emocional das pessoas. Baseadas nessa informação, as mães colocam suas melodias preferidas para seus bebês escutarem ainda no ventre. As academias estimulam os alunos a treinarem mais ao som dos ritmos animados. Os bares e boates descobriram que quanto mais música, mais horas de consumo; os artistas descobriram que quanto mais apelo emocional, mais sucesso; e não faltam exemplos de como ela vem sendo bastante explorada.

A música já é conhecida do homem há muito tempo, pois instrumentos eram tocados em batalhas, comemorações, solenidades e festas. Seguem alguns exemplos:

– Após atravessarem o Mar Vermelho e vencerem o exército de faraó, os hebreus cantaram e dançaram com seus tamborins;

– O rei Davi tocava a harpa para aliviar o tormento da alma de Saul. Ele também cantava e orava, de modo que, os seus louvores transformaram-se em ensinamentos e são valiosos até hoje;

– Outro exemplo bíblico interessante sobre a música ocorreu numa batalha, pois, enquanto os inimigos lutavam contra Judá, o rei Josafá e o povo adoravam a Deus com cânticos.

Então, deu para perceber o quanto todos nós somos musicais de nascimento e, dificilmente, passamos o dia sem cantarolar ou assobiar alguma coisa. A música imortaliza uma mensagem, fixa uma ideia, transporta a mente, acalma, inspira decisões, suscita sentimentos…

Logo que cheguei à Igreja, lembro-me de memorizar trechos preciosos da Bíblia e de ser movida à oração por causa do repertório do nosso hinário. Cheguei a ficar quase um mês cantando um antigo hino “Eu te amo”, para declarar o meu amor ao Senhor Jesus e receber o Espírito Santo.

Você já reparou que cada fase da nossa vida tem uma música que marca? Ela é tão preciosa que continuaremos a tê-la no céu, contudo, os que vão para o inferno perderão esse prazer.

Assim entendemos que o som gera uma energia que pode colocar o ser humano em estado de tranquilidade ou pode alvoroçar uma guerra interior.
Ao usar a música, o diabo tem comandado milhões de mentes de todas as idades, conforme o seu querer. Do mesmo jeito que ela pode gerar quietude e bem-estar pode deprimir e influenciar ao mal. Aqueles que querem se manter bem espiritualmente precisam zelar por suas palavras, pensamentos e também ouvidos com respeito ao gosto musical.

Portanto, nessa era do fone de ouvido, em que milhões de pessoas passam horas ouvindo músicas, pode ter certeza que, mesmo sem perceber, alguma música as influencia de alguma forma.

Para terminar, apenas mais uma reflexão: poderíamos ter hoje músicas da mais alta qualidade, de todos os ritmos, expressando nossa fé e valores.

A fonte que jorrou no passado continua a jorrar para inspirar os nossos compositores. Quem sabe não esteja em falta cristãos desinteressados de fama ou dinheiro e que tenham um único interesse: promover o Reino de Deus?


  • Núbia Siqueira / Foto: Getty Images 



reportar erro