Rede aleluia

Núbia Siqueira | 1 de agosto de 2018 - 03:00


O que é a Verdade?

Das perguntas feitas por Pilatos ao Senhor Jesus, durante o Seu julgamento (Jo 18.38), essa é bem emblemática, justamente porque todo ser humano nasce com um desejo latente pela verdade.

Por isso, não são poucas as vezes que o homem se depara com questões, como por exemplo: “Por que eu existo?”; “De onde eu venho?”; “Para onde eu vou?” etc.

Não sabemos qual era o interesse daquele líder político ao perguntar “O que é a verdade” ao nosso Senhor, mas o silêncio de Jesus dá a entender que Pilatos não pretendia moldar sua vida às revelações divinas ditas por Ele.

Prova é que, embora o governador soubesse que os trâmites do julgamento de Jesus eram ilegais, que as “provas” contra Ele eram mentirosas, que as testemunhas eram falsas e que os líderes religiosos que o conduziram à prisão o fizeram por inveja, ainda assim, Pilatos nada fez.

Mas, diferentemente de Pilatos, todos os que são sedentos por encontrar a Verdade descobrirão que ela não é um conceito filosófico e, muito menos, uma definição humana. Não existe uma Verdade para mim e outra para você, porque a Verdade é uma Pessoa: Jesus. Desse modo, ela jamais caberia dentro de uma descrição, ela não sofre variação e nem se curva à modernidade ou às pressões das situações adversas.

A grandeza da Verdade também pode ser compreendida diante desta declaração bíblica:

“(…) Eis que os céus, e o céu dos céus, não te podem conter (…)” 2 Cr 6.18

Então, se nem mesmo o céu dos céus pode conter o Deus Eterno, como Ele pode comportar dentro das inúmeras dissertações intelectuais que existem por aí sobre “verdade”, as quais são baseadas em entendimento humano e, por isso, duvidosas?

Termino com a seguinte reflexão: aqueles que, como Pilatos, perguntam “O que é a Verdade”, mas, no fundo, não estão com sinceridade em busca dela, jamais conseguirão ouvi-la (Jo 18.37b). Essas pessoas já têm os seus padrões, conceitos e princípios e não estão dispostas a abrir mão deles.

Para elas, resta-lhes o silêncio e, por causa dessa decisão, continuarão na completa cegueira a respeito dos valores eternos.

Você não precisa continuar perdido, enquanto pode desfrutar da mais extraordinária segurança: a Salvação da sua alma.

Dentre muitos benefícios, esse é o maior bem que a obediência à Verdade pode nos proporcionar.

Até a próxima semana!


  • Núbia Siqueira 


reportar erro