Rede aleluia
Voluntários já ajudaram 40 mil imigrantes venezuelanos em Roraima
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de Março de 2019 - 19:03


Voluntários já ajudaram 40 mil imigrantes venezuelanos em Roraima

Ação humanitária oferece comida, roupas e cuidados médicos a refugiados. Cerca de 60% são crianças

Voluntários já ajudaram 40 mil imigrantes venezuelanos em Roraima

O programa social A Gente da Comunidade (AGC), realizou mais um evento Unisocial no dia 15 de março em Roraima. Os constantes eventos já beneficiaram 40 mil venezuelanos desde o ano de 2017, onde se iniciou a crise migratória. Doações de alimentos e atendimento médico, foram oferecidos para os venezuelanos que se encontram na fronteira entre o Brasil e a Venezuela, localizada na cidade de Pacaraima.

Aílton Duarte, coordenador do AGC do estado, explica que, atualmente, a maior preocupação do grupo tem sido com as crianças, pois elas seriam a maioria entre os refugiados. “Cada venezuelano chega a Roraima com pelo menos dois filhos. Acredito que um adulto consiga compreender a dificuldade atual que se encontra, mas uma criança, normalmente, não”, lamenta o coordenador.

“No ano passado, presenciamos esses pequenos procurando comida no lixo – por tamanha fome que estavam passando. Graças a Deus e à ajuda de muitas pessoas, estamos conseguindo amenizar essa situação”, avaliou Ailton.

Além de alimentos, peças de roupa e água potável também são doadas aos imigrantes que fogem da Venezuela em busca de condições de sobrevivência, já que seu país não fornece mais.

A ação de 15 de março também contou com a presença de enfermeiros que aferiram a pressão e encaminharam os venezuelanos que estavam com quadros alterados para o posto de saúde mais próximo.

Segundo o coordenador, as ações estão sendo intensificadas para os venezuelanos que estão fora dos abrigos, pois os mesmos se encontram como clandestinos no país e isso dificulta a ajuda do governo em alcançá-los. “Além da fome e sede, muitos necessitam de atendimento médico, pois os mesmos se encontram doentes e com feridas nos pés por caminharem do seu país até o Brasil em busca de ajuda”, concluiu Aílton.

Perspectivas de piora

Levantamento da ONU aponta que, diariamente, cerca de cinco mil pessoas deixam a Venezuela em busca de melhores condições de vida.

Os poucos negócios que continuam abertos no país funcionam precariamente, quase sem produtos e com poucos funcionários. Os alimentos são um dos poucos itens vendidos na moeda local – bolívares soberanos.

Outra consequência do caos no país, é o aumento de pedintes e da população em situação de rua, o emagrecimento do povo e, em casos mais graves, a desnutrição entre crianças e idosos.


Voluntários já ajudaram 40 mil imigrantes venezuelanos em Roraima
  • Unicom 


reportar erro