Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de maio de 2018 - 03:05


Você tem dormido bem?

Saiba que se o sono não tem qualidade e quantidade ideais, os problemas de saúde aparecem. Confira

Sabe quando você está no meio da reunião e começa a cochilar? Ou quando está tentando estudar, mas o sono lhe faz ficar “pescando”? Saiba que essas reações do organismo não indicam simplesmente desinteresse, mas, sim, a falta de hábitos adequados na hora do sono.

Todos precisam de descanso e reposição de energias. Algumas pessoas conseguem fazer isso com menos horas de sono, outras com mais. Todavia, todos têm algo em comum: se o sono não tem qualidade e quantidade ideais, os problemas de saúde aparecem.

Confira os primeiros sintomas do organismo que lhe avisam sobre a necessidade de mais qualidade no sono:

– Aumento do peso;

– Baixa imunidade;

– Dificuldade de concentração;

– Má estado da memória de curto prazo;

– Dificuldade de raciocínio;

– Ansiedade;

– Cansaço;

– Alterações de humor.

Em longo prazo, a má qualidade de sono pode desencadear doenças como obesidade, diabetes, estresse e hipertensão.

O Doutor Edson Issamu, neurologista na Rede de Hospitais São Camilo (São Paulo), explica que “entre os principais sintomas da má qualidade de sono estão a sonolência diurna ou a facilidade para ficar sonolento durante pausas da atividade principal ou quando está submetido a situações mais tediosas, como aulas ou palestras”.

De acordo com ele, “existem indivíduos que precisam de muitas horas de sono e de dias seguidos para se recuperarem, em contraposição há outros que em poucas horas de sono já conseguem adquirir a reparação necessária para retornar às suas atividades normais”. O importante é que cada um conheça bem seu organismo e respeite os sinais enviados por ele.

O que fazer para dormir com qualidade

Não basta deitar na cama para ter um sono capaz de repor suas energias. É preciso tomar alguns cuidados, tais como:

Não utilizar aparelhos que emitem luz (como celular e televisão) na hora de dormir;

Não dormir ouvindo rádio ou outros sons induzidos, mesmo que sejam “músicas tranquilizantes”;

Evitar trabalho ou conversas estressantes antes de ir para a cama;

Ingerir alimentos e bebidas de fácil digestão e que não contenham cafeína ou outros estimulantes.

Outro artifício que beneficia o funcionamento do organismo é o cochilo no meio do dia. Ter de 20 a 40 minutos para tirar uma sesta entre as atividades diurnas melhora a produtividade e mantém o organismo equilibrado.

“Em alguns países da Europa isto já é praticado. Curiosamente, a famosa sesta espanhola não é apenas um aspecto folclórico local, mas sim uma importante ferramenta fisiológica para melhorar e equilibrar a atividade humana”, conclui o neurologista.


  • Por Andre Batista / Imagem: Fotolia 


reportar erro