Rede aleluia
Você sabe qual o momento de dar uma pausa?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Novembro de 2017 - 02:05


Você sabe qual o momento de dar uma pausa?

Confira quanto o excesso de atividades é capaz de prejudicar a sua saúde

Você sabe qual o momento de dar uma pausa?

Anos atrás, apenas os executivos e pessoas com altos cargos, agendas lotadas e desgastes na vida corporativa chegavam ao limite da disposição – e da energia – por conta da grande quantidade de afazeres diários. Atualmente, com as transformações sociais e a tecnologia, as cobranças deixaram de ser apenas presenciais e migraram para os grupos de WhatsApp e e-mails corporativos, que podem ser acessados dos celulares. Dessa forma, a separação entre a vida profissional e a pessoal ficou confusa.

Hoje, os consultórios estão lotados de pacientes jovens, com idade entre 20 e 30 anos, vítimas da Síndrome de Burnout. Você sabe o que é isso? Ela ocorre quando há uma grande exaustão capaz de afetar a produtividade e a saúde.

A palavra burnout significa “queimar até o fim”, ou seja, a pessoa chega ao total desgaste físico e mental.

O aspecto profissional sofre grandes impactos. A psicóloga Érika Nakano, mestre em psicologia social pela Universidade de São Paulo (USP), afirma que a síndrome possui três dimensões: exaustão, esgotamento de recursos e despersonalização – que ocorre quando o profissional se distancia e trata com frieza o cliente e os colegas, além da baixa autoestima e da autoavaliação negativa do trabalhador.

No Brasil

Uma pesquisa feita pela International Stress Management Association do Brasil (Isma-BR) aponta que 30% dos trabalhadores brasileiros sofrem esta síndrome. No entanto, ela é rotineiramente confundida com outras patologias, entre elas a depressão.

Fabíola Luciano, psicóloga e especialista em terapia cognitiva-comportamental pela USP, explica que o profissional workaholic (viciado em trabalho) vai na contramão do profissional que sofre com o burnout. “O workaholic busca e deseja trabalhar. No caso do burnout, a pessoa não quer mais ficar naquele trabalho, mas há várias questões pelas quais ainda permanece na situação de exaustão e não consegue sair”, esclarece.

Em busca de destaque profissional, muitos funcionários mascaram seus sintomas para não afetar a produtividade. Em casos crônicos, a exaustão pode levar ao afastamento do serviço ou até mesmo à demissão. “A pessoa está transtornada e continua trabalhando, mas um dia ela pode não conseguir nem levantar para trabalhar ou ter uma crise de choro. Nessas horas, o afastamento é necessário”, acrescenta Fabíola.

Segundo Erika, as mulheres apresentam índices elevados de exaustão emocional, enquanto os homens apresentam a despersonalização.

Já a terapeuta Fabíola Luciano acredita que as mulheres são mais vulneráveis pela dupla jornada: trabalho e lar.

As especialistas dizem que o grupo com maior risco é o formado por profissionais que têm contato direto com as pessoas: médicos, enfermeiros, professores, assistentes sociais, policiais, bombeiros, jornalistas e vendedores. A vulnerabilidade aumenta pelo desgaste no cuidado com o outro. No entanto, o crescimento da síndrome também ocorre em outros setores de atuação.

Os sintomas vão desde o esgotamento físico e emocional até agressividade, isolamento, problemas de concentração e memória, ansiedade, baixa autoestima e tristeza.

Ela pode causar, ainda, dor de cabeça, sudorese, palpitação, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais. A diferença com a depressão é que a Síndrome de Burnout apresenta exaustão no seu diagnóstico.

Identificar o problema a tempo é importante para evitar despersonalização ou abandono da profissão.

Para Erika, o grande desafio em tempos de crise no Brasil, em que as pessoas dividem o tempo entre dois ou três empregos, é saber a hora certa para parar e repousar. “Percebo erros de limitação entre o tempo de trabalho e o de descanso. Conheço profissionais que trabalham muitas horas, mas não conseguem se desligar na hora de descansar. Precisamos parar de levar trabalho para casa”, defende

Fabíola conclui que é necessário entender as prioridades e repensar as consequências do excesso de carga profissional. “Avalie o quão importante o trabalho é para você, como está se sentindo, como acorda para ir trabalhar todo dia. Esteja atento e não seja o tipo de pessoa que se reduz a acordar, trabalhar e dormir. Isso é prejudicial.” Por último, ela recomenda que se abra espaço para outras atividades que proporcionem prazer, como passar tempo com a família e os amigos, e atentar para realmente estar focado nessas atividades quando acontecerem e não pensando no trabalho.


Você sabe qual o momento de dar uma pausa?
  • Por Katherine Rivas / Fotos: Fotolia 


reportar erro