Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de agosto de 2018 - 00:05


“Uma palavra mudou tudo”

Anderson Lopes cresceu com traumas e problemas espirituais. A Universal foi sua última porta

Ficar trancado em um quarto escuro era a única saída que o soldador Anderson Lopes, de 26 anos (foto acima), encontrava. Por muito tempo sua vida foi marcada pela depressão e por problemas familiares. “Minha família estava destruída por conta do vício em álcool e em drogas de meu pai. Certo dia, ele expulsou minha mãe de casa só com a roupa do corpo”, explica.
Presenciar essa situação o levou a ter muitos traumas e um grande vazio em seu interior. Além disso, ele via vultos, ouvia vozes, não se alimentava direito e não via motivos para continuar vivendo. “Por muitas vezes, pensei em tirar minha própria vida. Me jogar na frente de um caminhão parecia a solução”, conta.
Ele se recorda que recorria a baladas e aos vícios e fazia “rachas” (corrida clandestina de carros) para tentar preencher o vazio. Na área amorosa, ele também era infeliz. “Minha vida sentimental era frustrada, eu não conseguia ser feliz no amor e, por isso, tive complexo de inferioridade.”
Ele recebeu o convite para ir a uma reunião na Universal, mas foi resistente. “Resisti muito por conta do que falavam da Igreja. Mas, por causa da minha situação e já não tendo mais a quem recorrer, resolvi ir”, lembra.
No primeiro dia que foi à Universal acontecia a corrente de libertação. Nela, ouviu que ali era a sua última porta.
“Uma palavra mudou tudo. O pastor disse que quem estivesse com a vida destruída e sofrendo fosse até o Altar e eu fui. Parecia que ele sabia o que eu passava.”
Quando Anderson decidiu obedecer ao que tinha ouvido, sua vida começou a ter uma nova perspectiva. “Disse a mim mesmo que dentro de mim não haveria mais espaço para o mal em minha vida, apenas para o Espírito Santo. Foi quando fui liberto”, esclarece.
Depois dessa decisão, ele ficou livre de todos os transtornos. Ao receber o Espírito Santo, seu interior foi preenchido. “Hoje sou livre. Não tenho mais complexos e sou realizado. A depressão não faz mais parte de mim”, conta.
O soldador também teve a família e a área amorosa restauradas. Tristezas, perturbações, vícios e traumas ficaram para trás. “Agora sou abençoado e feliz”, finaliza.


  • Camila Dantas / Foto: Mídia FJU/Arujá 


reportar erro