Rede aleluia
Uma amizade deu início a um grande amor
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de outubro de 2020 - 00:05


Uma amizade deu início a um grande amor

Conheça a história do casal Israel e Jessica Cabral e saiba como o uso da Fé inteligente faz a diferença na vida amorosa

Uma amizade deu início a um grande amor

O auxiliar administrativo Israel Cabral da Silva, de 28 anos, e a assistente administrativo Jessica Cabral dos Santos, de 29 anos, são exemplos de que o amor e a amizade podem caminhar juntos. Eles se conheceram na Universal e mantiveram uma longa amizade. “Na igreja, participávamos do mesmo grupo, morávamos próximos, fomos levantados a obreiros juntos e nos tornamos amigos. Ele morou por um tempo em outro país e ainda assim mantínhamos contato. Nossa amizade se manteve por dez anos. O engraçado é que durante todo esse tempo não nos víamos com outros olhos. Um desabafava com o outro, mas era só amizade. Eu até namorei um amigo dele e diversas vezes ele me aconselhou”, revela Jessica.

Para Israel, a experiência não foi diferente: “eu fazia confidências sobre minhas lutas a ela e vice-versa. Ela namorava com um amigo meu e também namorei com uma amiga dela. Um sempre apoiava e dava conselhos ao outro”.

Até que os dois ficaram solteiros pelo mesmo motivo: os relacionamentos de ambos não deram certo por incompatibilidade nos objetivos de vida.

Israel explica que nesse período começou a frequentar as palestras da Terapia do Amor. Então, passou a focar no cuidado do seu interior e estava determinado a não perder tempo com aventuras. “Na Terapia do Amor, aprendi os 21 segredos do amor e um deles me marcou: dizia que o amor não é um sentimento, mas um mandamento. Jesus não disse que devemos sentir algo uns pelos outros. Ele ordenou: ‘Amai uns aos outros’. Então, aprendi que não precisamos sentir e que devemos ser racionais. Isso me ajudou muito”, diz.

O amor inteligente faz pensar e não sentir
Foi durante uma conversa que eles perceberam que a pessoa que procuravam já estava ao lado deles fazia tempo e então decidiram começar a namorar. “Não teve aquela coisa de se apaixonar, ficar com conversinha ou coisa do tipo, foi bem racional, foi uma decisão. Eu sabia que a Jessica tinha tudo para me ajudar e me fazer crescer e ocorria o mesmo da minha parte em relação a ela. Então decidi amá-la”, afirma Israel.

Para Jessica, a Terapia do Amor foi importante para que ela corrigisse algumas atitudes. “Aprendi a lidar com as diferenças da nossa criação, com o hábito de ser independente e de guardar o que penso. Sei que se não tivesse mudado teria sérios problemas no relacionamento, mas o principal aprendizado que recebi foi o de assumir o meu papel de esposa e cumpri-lo”, diz.

No dia 19 de agosto de 2017 eles selaram a união no Altar de Deus, na Universal de Piraporinha, em Diadema, São Paulo. Para o casal esse dia ficou marcado com boas recordações. “Foi um dia incrível. Sem o Altar não há casamento. Não vemos validade na união se não houver a bênção do Altar”, destaca Israel.

Jessica se recorda do nervosismo e da emoção no grande dia, mas conta que o que mais importava para ela era a bênção de Deus. “O meu relacionamento é fruto de um voto no Altar e a bênção precisava vir de lá. É tão essencial que casamos no civil no dia 3 de agosto, mas, depois, guardamos nossas alianças e nos mantivemos cada um em sua casa, porque o dia que realmente importava era o dia 19, quando teríamos a bênção de Deus para as nossas vidas”, finaliza.


Uma amizade deu início a um grande amor
  • Kelly Lopes / Foto: Cedida 


reportar erro