Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de janeiro de 2020 - 13:13


Total de feminicídios bate recorde histórico em 2019

Número de crimes desse tipo são os maiores da História

O número de feminicídios em São Paulo bateu recordes negativos em 2019. De acordo com os boletins de ocorrência disponibilizados pela Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP), foram 154 casos registrados entre janeiro e dezembro.

Esse número é maior do que o total de casos registrados em 2018: 134. Mais do que isso: é o maior número desde 2015, quando o crime de feminicídio passou a ser distinto dos outros tipos de homicídio.

No Brasil, a cada 100 homicídios, apenas 6 são solucionados.

Mas em questão de feminicídio a diferença é gritante: a cada 100 crimes, 79* foram solucionados. E isso acontece porque, quase sempre, o crime é cometido pelo namorado, esposo ou ex. Dos 154 casos citados pela SSP, 105 foram cometidos dentro da casa da vítima.

Portanto, é importante se proteger!

A escritora Cristiane Cardoso, autora do best-sellerCasamento Blindado”, explica que é fundamental procurar auxílio em casos de violência doméstica. Isso porque, quase sempre, os casos de feminicídio acontecem em famílias com histórico de agressões à mulher.

“Você tem ali uma raiz de raiva e você tem que lidar com ela. Ela é perigosa, ela pode levar uma pessoa a fazer coisas horríveis”.

O primeiro passo é denunciar à Polícia. Hoje a mulher pode buscar socorro nas delegacias especializadas no atendimento às mulheres, ou ligar para o número 180, que é da Central de Atendimento à Mulher.

“Se você está casada com uma pessoa que não tem controle de si mesma, é sua responsabilidade fazer alguma coisa a respeito”, afirma Cristiane.

Também é possível encontrar apoio no programa social da Universal voltado ao atendimento de mulheres violentadas, o Raabe. O projeto oferece apoio espiritual, psicológico e até judicial. Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre ele:

 

*79% é a quantidade de casos solucionados em São Paulo entre janeiro e novembro de 2019

 


  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro