Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de janeiro de 2019 - 11:47


Terezinha Amaral é campeã e medalhista, dentro e fora d’água

Assista ao vídeo e conheça um pouco mais sobre a história desta nadadora

Medalha de bronze, de prata e de ouro. Terezinha Amaral sente-se mais jovem do que nunca quando está dentro da piscina. Campeã e medalhista de natação, desde criança sempre gostou muito de água. Vivia nadando nos rios da cidade onde nasceu em Minas Gerais.

Enfermeira de formação por 32 anos, foi ela quem ajudou a cuidar de sua irmã paraplégica. Perdeu o esposo muito cedo. Ele tinha apenas 42 anos de idade. Com o passar do tempo, ela poderia ter ficado em casa, sedentária. Mas, preferiu escolher alguma atividade que não a deixasse parada.

“O esporte é o melhor remédio para a minha saúde”

Terezinha faz natação porque se sente mais disposta. “Minha neta, professora de educação física, foi quem me incentivou, porque eu apresentava um problema de saúde. O esporte é o melhor remédio para a minha saúde. A vida me deu alguns motivos para ser triste, mas eu prefiro ser feliz”, afirma.

A primeira vez que competiu já quebrou o recorde dos 100 metros livre. Terezinha sabe nadar os quatro estilos da modalidade, mas prefere o nado de costas. Ela sempre se destaca nas competições e já foi convidada para torneios regionais e federais dos quais saiu campeã.

A rotina dela é muito disciplinada. Acorda todos os dias às 5h, faz caminhada, toma um café da manhã reforçado com frutas e ainda treina natação 3 vezes por semana. “Sou uma vencedora dentro e fora d’água e ainda vou trazer muitas medalhas para a minha coleção”, diz Terezinha.

Assista ao vídeo abaixo e conheça um pouco mais sobre a história desta medalhista:

Gostou? Então, compartilhe nas redes sociais com familiares e amigos.

Acesse aqui e conheça outras histórias inspiradoras.

 


  • Redação / Foto: Reprodução 


reportar erro