Rede aleluia
Telemedicina: o futuro já chegou
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de julho de 2020 - 00:07


Telemedicina: o futuro já chegou

Pandemia antecipou uma prática que pode ter vindo para ficar

Telemedicina: o futuro já chegou

A imagem de robôs operando pacientes pode parecer para muitos a representação de um futuro distante, só visto em filmes de ficção científica, mas não é bem assim. Em 2018, o médico indiano Tejas Patel operou o coração de cinco pacientes a 32 quilômetros de distância usando um robô. Esse tipo de prática é chamado de telemedicina e inclui, além da telecirurgia, a telerradiologia, a teleinterconsulta, o telemonitoramento, a teleUTI e a teleconsulta (saiba mais na página ao lado). Neste ano, em virtude da pandemia, a telemedicina foi autorizada provisoriamente por lei no Brasil para atender pacientes em isolamento social.

O otorrinolaringologista e coordenador de telemedicina do Hospital Moriah, em São Paulo, Fabrizio Ricci Romano, de 45 anos, afirma que, neste momento de pandemia, a principal vantagem dessa prática é possibilitar a interação entre médico e paciente sem riscos de contaminação. “A teleconsulta permite isso sem a necessidade de deslocamento por parte do paciente, seja pelo fato dele morar em área afastada, por ter dificuldade de locomoção ou simplesmente para economizar tempo. O mais importante é que ambos tenham ciência das limitações da consulta a distância”, analisa.

Ele avalia que para realizá-la é necessário ter à disposição alguma tecnologia de comunicação que possibilite uma chamada por vídeo.

“Todas as especialidades médicas podem realizar a teleconsulta. Como em toda consulta, o paciente deve detalhar sua história, frisar os pontos mais relevantes e ter em mãos todos os exames que já fez e que sejam pertinentes ao caso”, orienta.

O médico acredita que a telemedicina não é um recurso passageiro. “Com as vantagens que estamos observando, acredito que ela veio para ficar, mas haverá necessidade de uma regulamentação para que uma medicina de qualidade seja oferecida aos pacientes. Existe uma série de recomendações da parte dos conselhos regionais. O Hospital Moriah, por exemplo, está preparando um manual para os médicos do nosso corpo clínico que vão realizar este tipo de atendimento”, conclui.


Telemedicina: o futuro já chegou
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro