Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de agosto de 2018 - 00:05


Surtos de sarampo e pólio voltam a acontecer no Brasil

Campanha de vacinação espera erradicar ao menos 80% dos vírus

Por conta dos casos recentes de poliomielite e surtos de sarampo em julho no Brasil, até o dia 31 de agosto acontece a Campanha Nacional de Vacinação contra essas doenças. Segundo o Ministério da Saúde, trata-se de uma ação de mobilização.
Até o momento foram confirmados 872 casos no Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Pará e Rondônia, mas a concentração é na Amazônia (519) e em Roraima (272). Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-
Americana da Saúde a certificação por eliminar o vírus do sarampo e em 1994 foi declarado livre do poliovírus. No entanto a falta de interesse da população e a ineficácia das campanhas de vacinação deixaram o País em uma situação complicada.
O Ministério da Saúde expressou preocupação com a baixa cobertura vacinal da poliomielite – não erradicada no mundo – em 312 municípios, já que a taxa é menor do que 50% e deveria ser de 95%.
Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, considera que o problema não é a falta de orçamento em saúde ou a escassez de vacinas, mas a pouca atenção dada a essas doenças. “As pessoas não as consideram graves. Muitos pais jovens nem conhecem a pólio ou o sarampo.” Outros pontos seriam a dificuldade de acesso aos postos de saúde por causa do horário de atendimento e o fluxo de imigrantes venezuelanos nos Estados do Norte do País. “Crianças não vacinadas estão suscetíveis à doença. Muitos estrangeiros com sarampo estão entrando no País e os brasileiros que viajam para países onde há sarampo também contribuem”, diz Isabella.
Nelson Douglas Ejzenbaum, pediatra e neonatologista, alega que houve graves falhas vacinais no Brasil. “A culpa não é só do governo. Nós misturamos brasileiros e estrangeiros sem vacinação e criamos uma bola de neve.”
Problema sério
O Brasil estava livre de sarampo há três anos. A doença é viral e o contágio ocorre por meio de secreções respiratórias (tosse, espirro, etc.). Ela pode ocasionar pneumonia, problemas neurológicos e retardo mental e já foi a principal causa de mortalidade infantil
no mundo.
A poliomielite tinha sido eliminada do Brasil há 28 anos. A doença ataca nervos musculares causando paralisia e em alguns casos a morte. Ela é transmitida por secreções respiratórias ou pelo contato com fezes contaminadas.
A pólio e o sarampo não têm cura, mas podem ser evitados com a vacinação. No dia 26 de julho, o Ministério de Saúde se reuniu com as Sociedades Brasileiras de Pediatria, Imunizações e Infectologia para assinar um manifesto alertando o Brasil para a necessidade de reagir ao problema.
A principal preocupação das instituições não são as fake news nem os antivacinistas, mas convencer a população a fazer a vacinação. “Cada município deve facilitar o acesso das pessoas às vacinas e mapear quais cidades têm cobertura baixa”, conclui Isabella.


  • Katherine Rivas / Foto:Fotolia/ Arte: Edi Edson 


reportar erro