Rede aleluia
Se Deus é bom, por que manda pessoas para o inferno?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de novembro de 2019 - 12:54


Se Deus é bom, por que manda pessoas para o inferno?

Bispo Renato Cardoso esclarece a dúvida

Se Deus é bom, por que manda pessoas para o inferno?

Como pode Deus ser bom e permitir que as pessoas passem a eternidade em sofrimento no inferno? Essa foi a dúvida que o Bispo Renato Cardoso esclareceu durante edição do programa Inteligência e Fé.

De acordo com o Bispo, “esta pergunta é uma das favoritas de muitos ateus, de muitas pessoas que estão chateadas, magoadas com Deus, pessoas agnósticas, pessoas que tentam questionar a existência de Deus”.

Elas utilizam o argumento raso e infundado de que, se Deus fosse realmente bom, não condenaria uma pessoa ao inferno. Mas será que isso é verdade?

É impossível ser bom para todos

A primeira parte da explicação do Bispo foi focada em mostrar que praticar uma atitude boa para uma pessoa pode se tornar, por consequência, uma atitude ruim para outra.

Exemplificando: uma empresa entrevista Luís e João para uma vaga de emprego. Por fim, decide que Luís é o melhor candidato. Contratar Luís é uma atitude que será boa para Luís. Ao mesmo tempo, será ruim para João.

“É impossível fazer a bondade a todos sem resultar em algo ruim para alguns. Assim também é com Deus”, explicou o Bispo.

Como essa regra se aplica?

Imagine que nenhuma pessoa vai para o inferno. Consequentemente, todas vão para o céu. Todas, sem exceção. Isso seria justo?

“Você quer dividir o céu com Hitler? Quer dividir o céu com todos os assassinos em massa, aqueles que cometeram genocídios ao longo da história da humanidade? Você quer dividir o céu com pedófilos? Quer dividir o céu com satanistas, que declaradamente não querem o céu? Você quer dividir o céu com todo o tipo de gente cruel que nunca se arrependeu de nenhum mal que fez?”, questiona o Bispo. “Esse lugar não seria o céu. Se Deus levasse todo mundo para o céu, não seria mais céu, seria apenas uma continuação do mundo atual, uma extensão da Terra. Ou seja: um inferno melhorado”.

Para Deus fazer o bem àqueles que merecem a felicidade eterna no céu é preciso que aqueles que não merecem estejam em outro lugar.

“Um Deus de amor, simplesmente, não pode levar todo mundo para o céu. Não pode, ainda que Ele queira”, define o Bispo.

E como Deus escolhe quem vai para o inferno?

A resposta é simples: Ele não escolhe. Não é decisão de Deus mandar alguém para o céu ou para o inferno. Essa escolha cabe à própria pessoa.

“A verdade é que ir para o céu ou não é totalmente responsabilidade de cada um. Deus já fez a parte dEle. Deus quer tanto que a gente vá, para estar com Ele depois da morte, que já providenciou o caminho”, explica o Bispo.

Assim, a pergunta que abre essa matéria é injusta. Deus não manda ninguém para o inferno. Ele, literalmente, sacrificou Seu Filho para que todos tivessem a chance de ir para o céu. Questionar “Como Deus é bom e lança as pessoas ao inferno?” é se esquivar da responsabilidade.

“Ele não pode levar todos para o céu, porque nem todo mundo quer a disciplina, as regras, a maneira de Deus. Ele só pode levar para o céu aqueles que se arrependem dos seus erros, das suas falhas, aqueles que creem nEle, creem no sacrifício, decidem começar a viver uma vida como se já fosse um cidadão do céu, só que aqui na Terra. Que é a vida de sacrifício, a vida de separação. Diferente do que as outras pessoas decidem viver por aí, que é a sua própria vontade, ao seu próprio jeito”, conclui o Bispo.

Ouça a explicação completa do Bispo Renato Cardoso:

Participe, também, das reuniões que acontecem diariamente em toda a Universal. Procure o endereço de um templo mais perto de sua casa, clicando aqui.


Se Deus é bom, por que manda pessoas para o inferno?
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro