Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de junho de 2020 - 13:32


Rússia aprova remédio antiviral promissor para o tratamento da COVID-19

Inicialmente o antiviral será usado apenas em hospitais, a partir de 11 de junho. Países da América Latina e do Oriente Médio já encomendaram o medicamento

O remédio testado e registrado na Rússia para o tratamento de pessoas com o novo coronavírus deve chegar aos hospitais do país a partir da semana que vem, provavelmente em 11 de junho. Foi o que afirmou o órgão responsável pela produção do medicamento à agência de notícias britânica Reuters. Durante os testes clínicos, o antiviral mostrou grande eficácia para afetar os mecanismos de reprodução do vírus e é promissor frente ao combate contra a COVID-19.

O antiviral Avifavir, conhecido genericamente como favipiravir, foi desenvolvido inicialmente nos anos 1990 por uma empresa japonesa. O Japão vem testando o mesmo medicamento. Por sua vez, os cientistas russos modificaram o remédio para otimizá-lo. O tempo de desenvolvimento e de testagem foi recorde. O medicamento mostrou 90% de eficácia no combate à doença. Cerca de 330 pessoas participaram do estudo e a maioria delas se recuperou em quatro dias.

Inicialmente, o antiviral não estará à venda em farmácias. Contra-indicado para gestantes, ele será usado apenas em hospitais. A expectativa é que se fabrique quantidade suficiente para tratar 60 mil pessoas por mês. A medida espera diminuir a pressão sobre o sistema de saúde e acelerar a volta à atividade econômica normal da Rússia. Países da América Latina e do Oriente Médio também já começaram a encomendar o medicamento em busca de combater a pandemia.

Assista à matéria exibida sobre o assunto no Jornal da Record:

Corrida em busca da vacina

Atualmente, não existe vacina para a COVID-19. Mas, a corrida mundial contra o tempo continua. No Brasil, por exemplo, pesquisadores de diferentes instituições estão empenhados em produzir uma vacina nacional contra o novo coronavírus. Clique aqui e saiba mais.

  • Redação / Foto: Getty Images 

  • Colaborador: 

  • Michele Roza


reportar erro