Rede aleluia
Reduza o sal da sua alimentação
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de Novembro de 2020 - 00:05


Reduza o sal da sua alimentação

Entenda os riscos que o excesso dessa substância pode oferecer para a saúde

Reduza o sal da sua alimentação

O sal é usado como tempero na comida e está presente em uma série de alimentos como conservante. O consumo exagerado pode levar a doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), responsáveis por 63% das mortes no mundo e 72% dos óbitos no Brasil, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O problema é que o brasileiro não é muito regrado ao consumi-lo. A quantidade ideal recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 5 gramas, o equivalente a dois gramas de sódio, mas nossa média diária ultrapassa 9 gramas.

De acordo com o médico cardiologista intervencionista Hélio Castello, CEO da Angiocardio e gestor do Serviço de Intervenções Cardiovasculares do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, as doenças cardiovasculares não transmissíveis são, em sua maioria, derivadas da aterosclerose, da hipertensão arterial e do diabetes. “O excesso de sódio causa acúmulo de água no organismo, participa do endurecimento dos vasos e eleva os níveis de pressão arterial, o que propicia piora em todo o quadro clínico.”

Segundo Castello, durante a pandemia, esses problemas se agravaram. “Por conta do isolamento, muitas pessoas pedem comida via telefone ou comem comida congelada que, para terem maior durabilidade, são feitas com maior quantidade de sal. Todos os alimentos que não são consumidos in natura devem ser observados com cuidado, visto que a taxa de sal, açúcar e produtos químicos tende a ser maior. Até mesmo na água mineral há presença de sódio”, adverte.

O médico Cristiano Dietrich, cardiologista do Hospital Moriah, em São Paulo, considera a hipertensão um dos principais males agravados pelo alto consumo de sódio. “Neste ano, o Ministério da Saúde apresentou os dados das doenças crônicas e a hipertensão acomete 24,5% da população. O maior problema é que ela não promove sintomas e, caso não seja tratada, aumenta o risco de desenvolvimento de doenças nas artérias, o que leva a maior risco de AVC e infarto do miocárdio e, em caso extremo, à morte súbita”, alerta. (Veja quadro ao lado).

A hipertensão é caracterizada pelo aumento das medidas da pressão arterial sistólica (140mmHg) e/ou diastólica (90mmHg). “A modificação do estilo de vida apresenta impacto significativo na redução da pressão arterial e é essencial no tratamento da doença. A prevenção da hipertensão arterial é baseada na adoção de uma vida saudável com uma boa alimentação, manutenção do peso adequado e prática regular de exercícios físicos”, orienta.

 


Reduza o sal da sua alimentação
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro