Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de janeiro de 2020 - 12:02


Por que muitas mulheres fingem ser o que não são?

A personagem "Poderosa", da novela "Amor sem Igual", mostra o que está por trás deste comportamento. Entenda

No episódio da Escola do Amor Responde especial para mulheres, que foi ao ar 16/01/2020,  Cristiane Cardoso e Nanda Bezerra falam sobre “Poderosa”, a protagonista da novela Amor Sem Igual exibida pela Record TV de segunda a sexta-feira, às 20h30.

Angélica é uma menina traumatizada, triste, repleta de complexos, escondida embaixo do codinome “Poderosa” e de um comportamento de quem, aparentemente, está bem e que não tem medo de nada. Mas, no fundo, ela tem muito medo.

Cristiane Cardoso ressalta que “Poderosa” é uma representação de muitas mulheres hoje em dia, que talvez não sejam garotas de programa, a exemplo da personagem, mas apresentam o mesmo comportamento que o dela.

Em suas experiências trabalhando há mais de 10 anos com o público feminino, Cris e Nanda abordam que muitas mulheres apresentam este comportamento de mostrarem ser o que não são, não porque elas querem ser hipócritas, mas como uma capa protetora.

Proteção ou autossabotagem?

A escritora Nanda destaca que pessoas que usam essa capa se impedem de alcançar aquilo que elas mais querem. Em outras palavras, elas mesmas se sabotam.

Por estarem “vestidas” com esta capa terão que provar todo tempo e para todo mundo que são aquilo. Um fardo desnecessário, já que se não usassem tal capa, não precisariam provar nada para ninguém.

Nanda reforça que tudo isso vem de uma dor, e porque não querem continuar sendo traumatizadas, se vestem dessa “imagem”. Contudo, Cristiane alerta que tudo vem de um medo. “Elas têm medo de aceitar a ajuda de alguém e serem decepcionadas; de amarem e serem traídas e rejeitadas de novo. Então, decidem que não vão amar, e colocam essa capa”.

Porém, no momento em que estão só, não podem fingir para si mesmas.

Vivem situações difíceis porque não querem tirar essa capa que só atrapalha. Estão há tanto tempo usando esse “disfarce” que quando cogitam se desfazerem dele, ficam com medo do que os outros irão pensar.

No entanto, quanto mais insistem em se esconderem atrás dessa “falsa imagem”, mais distantes ficam do que realmente querem ser e ter.

“A capa protetora não é de proteção, é de sabotagem. Ela não previne a dor, ela potencializa, só que no interior da pessoa. Para você ter tudo aquilo que quer muito, vai ter que tirar a capa”, finalizou Cristiane.

Ouça aqui o programa na íntegra

A Escola do Amor Responde confronta os mitos e a desinformação nos relacionamentos. Renato e Cristiane Cardoso, apresentadores da Escola do Amor na RecordTV e autores de Casamento Blindado e Namoro Blindado, tiram dúvidas e respondem perguntas dos alunos.

Ouça todos os podcasts no iTunes: rna.to/EdARiTunes


  • Núbia Onara / Foto: Blad Meneghel/ Record TV 


reportar erro