Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de agosto de 2018 - 00:05


População marcha pela paz na data que rememora a Independência da República Centro-Africana

Universal, presente há 10 anos neste país que sofre com a guerra civil e a miséria, realiza uma reunião especial a céu aberto no centro da capital Bangui

A República Centro-Africana alcançou a sua independência da França – que a governou como uma colônia a partir do final do século XIX – no ano de 1960. Há 58 anos a data é lembrada pela população em 13 de agosto. Neste ano, um evento especial aconteceu nas ruas da capital do país, Bangui.
Na data que rememora a Independência da República Centro-Africana, a Universal no país realizou uma reunião a céu aberto, na praça conhecida como “Ponto Zero”, localizada no centro da cidade. O encontro foi antecedido por uma marcha pela paz e pelo fim dos conflitos que assolam o país desde 2004.
“A ação foi muito importante, pois, pudemos mostrar como nos importamos com a atual situação do país e o bem-estar do povo. Marchamos pelas ruas da capital chamando todos no caminho a participar do clamor pela paz. Durante a reunião, explicamos aos presentes a liberdade e a independência que o Senhor Jesus pode dar a cada um, assim como está escrito na Bíblia”, contou o Pastor Marcelo Trindade Cunha, responsável pelo trabalho da Universal no país.
Na ocasião, ele citou João 8.36: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.
O evento, que contou com o apoio da polícia local, reuniu mais de 1.200 pessoas. O hino oficial do país foi apresentado durante o encontro e foram realizadas orações pela paz, pelas famílias e, também, por todos os enfermos.
A comerciante Brigite Nzokonga (foto ao lado) participou do evento e contou que, assim como hoje ela ora em prol da paz e dos doentes, um dia, alguém que a convidou para conhecer a Universal também orou por ela e a ajudou a recuperar a saúde e a vida financeira que estavam destruídas.
“Quando cheguei à Universal, me encontrava completamente doente. Sofria com dores terríveis e devido à má saúde, estava em profunda miséria. Após recorrer a vários médicos, sem sucesso, fui convidada por uma amiga para buscar a cura. Logo ao chegar à Igreja, percebi que Deus estava ali. Comecei a participar das reuniões, campanhas e tive minha saúde restaurada. Por meio da Campanha de Israel, obtive uma grande vitória financeira e hoje, além da saúde restaurada e do casamento, também tenho minha casa própria e sou proprietária de um supermercado”, disse.
País sofre com uma guerra civil
Com 4,6 milhões de habitantes, há anos a população do país vive imersa em uma guerra civil, sem paz e sem acesso a recursos básicos. Em 2013, forças rebeldes derrubaram o presidente em exercício e provocaram uma onda de violência entre cristãos e muçulmanos. Desde então, o Governo controla apenas parte do território, enquanto grupos armados, que praticam atividades criminosas nas províncias, se enfrentam pelo controle de recursos naturais.

A Universal está presente na República Centro-Africana há 10 anos. Nesse meio tempo o trabalho já foi interrompido, entre 2013 e 2014, quando devido ao agravamento dos conflitos, algumas igrejas foram fechadas por questão de segurança. Hoje, existe apenas a sede nacional em Bangui.
Em 2014, a Organização das Nações Unidas interviu com a Missão Multidimensional para a Estabilização da República Centro-Africana (Minusca), que está no país até hoje. Contudo, segundo a própria ONU “o fim da violência e a garantia de estabilidade ainda são objetivos difíceis de serem alcançados”.
O conflito já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, além de 2,5 milhões de pessoas já necessitarem de ajuda humanitária. Segundo o Pastor Trindade, o país ainda está instável e as pessoas vivem com medo. “Mesmo com a presença da ONU, o clima ainda é muito tenso”, afirma.
Recentemente, o Conselho de Segurança da ONU condenou “o aumento da incitação ao ódio religioso e étnico e à violência” na República Centro-Africana e os ataques de grupos extremistas na região, e apelou aos grupos armados do país que cessassem todas as formas de violência, entregassem as armas e se envolvessem na construção da paz.
Transformar a vida de um povo tão sofrido

A República Centro-Africana é o último (188º) país na lista do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da ONU, publicado ano passado. O índice é a referência comparativa de riqueza, alfabetização, educação, expectativa de vida, natalidade e outros fatores em uma nação.
No país, a expectativa de vida é de 50,7 anos (24 a menos do que no Brasil). Entre os vários problemas socioeconômicos que enfrenta estão a miséria (a maioria dos habitantes vive abaixo da linha de pobreza), a subnutrição, a alta taxa de mortalidade infantil e o índice de analfabetismo que supera os 50%.
O Pastor Trindade que, anteriormente, já esteve presente em países como República do Congo, República do Benin e Costa do Marfim, comentou que a simplicidade, a humildade e a carência do povo centro-africano os motivam a seguir em frente. “Mesmo em meio à guerra e às dificuldades extremas, o trabalho da Universal tem avançado cada vez mais no país e transformando a vida de um povo tão sofrido”, concluiu.
Você já conhece o trabalho da Universal em outros países do continente africano? Quer saber mais sobre as ações na República Centro-Africana e ao redor do mundo? Não deixe de acompanhar as matérias no site Universal.org.


  • Michele Roza / Fotos: Cedidas 


reportar erro