Rede aleluia
Polêmica: filme da Netflix sexualiza crianças
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de setembro de 2020 - 22:17


Polêmica: filme da Netflix sexualiza crianças

Você sabe o que seu filho tem assistido?

Polêmica: filme da Netflix sexualiza crianças

A hashtag #CancelNetflix ficou em evidência nas redes sociais depois que o filme francês Cuties foi lançado na Netflix.

É importante lembrar que não é a primeira vez que a Netflix se envolveu em polêmica. Em 2019, após o lançamento de “A Primeira Tentação de Cristo”, muitos criticaram a obra por seu conteúdo blasfemo. Milhares de pessoas assinaram petições no Brasil e em outros países solicitando a retirada do filme da plataforma, bem como realizaram campanhas pelo cancelamento da assinatura.

Já todo o embaraço em torno do filme francês é porque se trata de uma garota senegalesa de 11 anos que faz amizade com um grupo de dançarinas pré-adolescentes. Confira o vídeo abaixo:

De acordo com o site Christian Headline, o senador do Texas Ted Cruz, em sua carta ao procurador-geral Bill Barr na sexta-feira (11), disse que o filme “sexualiza garotas, inclusive por meio de cenas de dança que simulam atividades sexuais e uma cena que expõe os seios nus de uma menor”.

Depois de ouvir sobre a reação, Cruz se juntou a outros republicanos no Congresso para pedir ao Departamento de Justiça que investigasse a Netflix para determinar se a empresa violava as leis federais na produção e distribuição de pornografia infantil.

“Não há desculpa para a sexualização das crianças, e a decisão da Netflix de promover o filme Cuties é nojenta na melhor das hipóteses e um crime na pior”, disse o senador republicano Tom Cotton. “Exorto o Departamento de Justiça a tomar medidas contra a Netflix por seu papel em empurrar representações explícitas de crianças para os lares americanos.”

Os criadores do filme, no entanto, dizem que o objetivo do filme é uma crítica à sexualização de meninas pré-adolescentes.

O pôster das garotas em trajes sugestivos foi removido e a Netflix se desculpou, dizendo que “lamentava profundamente a arte inadequada” que “não era representativa do filme”.

O papel dos pais no cuidado dos filhos

Ficar atento ao que os filhos assistem na tv ou em qualquer outro dispositivo eletrônico é fundamental para que a criança não seja influenciada negativamente. Por isso, é importante sempre separar um tempo para os filhos, mesmo diante da correria do dia a dia.

Para a advogada Patricia Alonso, é importante salientar no contexto familiar que a qualidade desse tempo é o que conta. “Estar o tempo todo juntos não significa que somos uma família exemplar, pois muitas vezes estar junto o tempo todo tira de nós a possibilidade de novas experiências e novos informes que, posteriormente, devem ser trazidos, discutidos e se for saudável deve ser incentivado para o enriquecimento psicológico do núcleo familiar”, explica.

A advogada ainda ressalta que os desafios da família moderna são inúmeros, mas as necessidades são as mesmas desde os primórdios. “Portanto, precisamos trabalhar com o fortalecimento do núcleo familiar em todos os ‘braços’ sociais, seja na escola, universidades, igrejas, clubes, etc. Precisamos, realmente, fazer um ‘mutirão’ em fortalecimento da família brasileira”, aconselha.

A psicóloga e responsável da Escola de Mães – projeto que auxilia pais e mães a lidarem com os desafios na criação dos filhos -, Neia Dutra, recentemente, pontuou em uma transmissão, ao vivo, que os pais devem estar atentos ao que os filhos veem nas telinhas.

“É muito difícil as crianças viverem sem a tecnologia, mas é importante que os pais consigam reduzir o uso disso e supervisionar aquilo que a criança está acessando, a fim de reduzir os riscos dela na frente de uma tela, nesse mundão que é a internet”, aconselha.

Além disso, ela ainda esclareceu que, nessa quarentena, os cuidados devem ser ainda mais intensificados por parte dos pais.

Vetar a veiculação

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse que pretende vetar este conteúdo. Para ela, a produção é abominável. Em postagem nas redes sociais, a ministra ainda acrescentou que são inaceitáveis as roupas que as meninas usam no filme e que não permitiria este tipo de conteúdo no País.

(*) Com informações do site Christian Headline


Polêmica: filme da Netflix sexualiza crianças
  • Redação Unigrejas (*) / Foto: Reprodução  


reportar erro