Rede aleluia
Pesquisas avançam em busca da vacina contra a COVID-19
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de Maio de 2020 - 16:02


Pesquisas avançam em busca da vacina contra a COVID-19

Cerca de 100 pesquisas estão em desenvolvimento em vários países, inclusive no Brasil. Saiba mais sobre os testes que estão sendo realizados

Pesquisas avançam em busca da vacina contra a COVID-19

O mundo todo se mobiliza nas pesquisas por vacinas, tratamentos e medicações contra a COVID-19. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 102 pesquisas estão em desenvolvimento, inclusive no Brasil. O Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, está nessa corrida e uma vacina para a prevenção do novo coronavírus deve começar a ser testada em animais na próxima semana.

Cientistas do Laboratório de Imunologia do Incor (da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) lideram a pesquisa por uma vacina feita por meio de partículas artificiais parecidas com o novo coronavírus. Por terem características semelhantes às de um vírus são facilmente reconhecidas pelas células do sistema imune. Porém, não têm material genético do vírus, o que impossibilita sua replicação.

A utilização dessas partículas são consideradas seguras. O projeto segue em fase de testes. E, após comprovação da eficácia, os cientistas pretendem estabelecer colaborações com outras instituições de pesquisa para acelerar o desenvolvimento da vacina no Brasil.

Avanço das pesquisas pelo mundo

Normalmente, as vacinas levam anos para ser produzidas e seguem diversos protocolos científicos. Elas começam a ser desenvolvidas em estudos feitos nos laboratórios, com amostras de células e testes em cobaias. Somente depois, seguem para os testes clínicos, quando a vacina é administrada em voluntários humanos, para se obter a segurança e a eficácia comprovadas.

Se as previsões mais aceleradas para fabricação e distribuição de vacinas contra a COVID-19 apontam meados de 2021, já há algumas pesquisas ainda mais avançadas. No Reino Unido, uma vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, e financiada pelo governo britânico, começou a ser testada em humanos. Se tudo der certo, ela poderá estar disponível em setembro desse ano.

Assista abaixo à reportagem exibida pelo Domingo Espetacular, na Record TV, nesse domingo último (03) e veja mais exemplos de países que estão na corrida avançada pela vacina contra o novo coronavírus, como a China e os Estados Unidos.

Mais de 1 milhão de curados

No dia 30 de março último, de acordo com levantamento da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, o número de curados da COVID-19 ultrapassou a marca de 1 milhão de pessoas – cerca de um terço da população mundial que foi infectada. No Brasil, já são quase 43 mil curados, segundo dados mais recentes do Ministério da Saúde.


Pesquisas avançam em busca da vacina contra a COVID-19
  • Redação / Foto: Getty Images 

  • Colaborador: 

  • Michele Roza


reportar erro