Rede aleluia
Para refletir sobre o banimento de Donald Trump das redes sociais
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Janeiro de 2021 - 18:35


Para refletir sobre o banimento de Donald Trump das redes sociais

Questão acende o debate acerca da liberdade de expressão, da transparência e da coerência sobre as diretrizes de moderação

Para refletir sobre o banimento de Donald Trump das redes sociais

Após os protestos violentos e a invasão do Capitólio, sede do Congresso dos Estados Unidos, no dia 6 de janeiro último — quando aconteciam os trâmites para a certificação da eleição de Joe Biden –, o presidente norte-americano Donald Trump foi banido de redes sociais usadas mundialmente como o Twitter, o Instagram e o Facebook. Ele sofreu ainda restrições por parte de outras plataformas, por exemplo, com a remoção de vídeos no Youtube.

No geral, os argumentos para a punição foram a divulgação de afirmações falsas e a incitação à violência. Do Facebook e do Instagram, Trump foi banido “indefinidamente”, ou pelo menos até o dia da posse de Joe Biden, em 20 de janeiro próximo. Na noite dos protestos, ele já havia sido suspenso também pelo Twitter por um período de 12 horas, por “risco de mais incitação à violência”. Menos de dois dias depois, Trump foi banido permanentemente da plataforma.

Posicionamento e censura

O posicionamento das grandes empresas de tecnologia e de suas plataformas não pode refletir questões e preferências políticas sejam elas quais forem. Esse banimento coletivo de um representante político acende o debate acerca da liberdade de expressão, da transparência e da coerência sobre as diretrizes de moderação de uma rede social.

Ao mesmo tempo em que tais restrições contra Trump ganhavam divulgação, outras personalidades, em apoio, deixavam suas contas no Twitter, com milhões de seguidores, por decisão espontânea ou logo após também sofrerem um banimento de 12 horas. A exemplo dos apresentadores, radialistas e comentaristas conservadores Rush Limbaugh, Mark Levin e Dan Bongino. Levin chegou a afirmar que estava deixando a plataforma para sempre como um “protesto” contra o “fascismo do Twitter”.

Em contrapartida, por exemplo, a jornalista brasileira Miriam Leitão publicou na mesma rede social, a seguinte frase: “Trump de castigo no Twitter por 12 horas e se não voltar pianinho vai ser banido”. A jornalista, que viveu a censura durante a Ditadura no Brasil e se tornou uma profissional da comunicação, na sua postagem, ironizou ao apontar uma condição de cerceio ao governante. Como se estivesse corroborando as “medidas punitivas” que as plataformas estavam aplicando em suas páginas.

Tais decisões das redes sociais contra Trump beiram à censura — aquilo que restringe, por exemplo, a publicação e exibição, neste caso de posts e vídeos, com base em uma análise. Mas, análise feita por quem? Sob quais critérios? Notoriamente, qualquer acontecimento com uma autoridade política ganha dimensões e holofotes maiores. Entretanto, o que vale para determinar se uma postagem é apropriada ou não deve valer igualmente e seguir a mesma lógica para todos que se pronunciam em uma rede social.


Para refletir sobre o banimento de Donald Trump das redes sociais
  • Redação / Foto: Agência Brasil - Isac Nóbrega/PR 


reportar erro