Rede aleluia
Pai alcoólatra, filho suicida?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de junho de 2020 - 00:05


Pai alcoólatra, filho suicida?

Quem cresce sob influência de um dependente químico pode ter 85% de chance de cometer suicídio, diz pesquisa

Pai alcoólatra, filho suicida?

Alarmado com o título? Com razão. O homem que pensa que “está tudo bem” tomar um pilequinho pode estar arriscando bem mais do que sua saúde ou sua reputação.

Além das consequências do alcoolismo (descontrole, violência, crises familiares, perda de oportunidades profissionais, etc.), um estudo  norte-americano mostrou que os descendentes de um alcoólatra podem pagar por um erro que nem foi deles.

Pessoas criadas por pais que abusavam do álcool podem ter 85% mais chances de tentar o suicídio, segundo uma pesquisa conjunta de renomadas universidades dos Estados Unidos, como Columbia, Harvard e Johns Hopkins, entre outras.

Muitos dos entrevistados revelaram que ver as atitudes de pais bêbados lhes causou danos psicológicos a longo prazo, a ponto de alguns tentarem tirar a própria vida.

No histórico da maioria desses entrevistados havia sintomas como perder o interesse em coisas que antes eram muito importantes e que as estimulavam, como trabalho, esportes, exercícios, hobbies.

Ao se entregar a um vício – e o álcool é somente um dentre vários –, um homem não imagina o quanto pode prejudicar o próximo, mesmo que isso só aconteça mais tarde. As crianças, por exemplo, mesmo que não entendam uma situação enquanto ela está acontecendo, registram o fato na mente, que fica guardado por anos, causando-lhes danos psicológicos que podem levar até mesmo à morte, como avisam os cientistas norte-americanos.

Vale repetir: se um homem pensa que só prejudica a si mesmo com um vício é hora de começar a pensar naqueles a quem ama e procurar ajuda antes que seja tarde. E essa ajuda é mais eficaz quando é espiritual, afastando de vez as forças malignas que instalam o vício e querem ver o fim de uma pessoa – e da família dela. Sendo assim, somente Deus é capaz de retirar dela esse problema.

Quanto a essa ajuda, não são poucas as iniciativas da Universal que já tiraram do caminho da morte milhões de homens em vários países.

Os desafios do projeto IntelliMen ajudam a formar homens que não caem nessa armadilha. Além disso, o Tratamento para a Cura dos Vícios – como o próprio nome diz – traz a cura de qualquer dependência, fora outros projetos já desenvolvidos que contabilizam milhões de vidas recuperadas por todo o planeta – com efeito multiplicador, pois toda a família ganha com isso.

A ajuda de que você, um parente ou um amigo precisam pode estar mais perto do que vocês imaginam (acesse as redes sociais da Universal para assistir às reuniões on-line, caso na sua cidade não tenha cultos presenciais, por causa das medidas para contenção da pandemia do novo coronavírus).

O bom exemplo para os filhos deve acontecer na prática e não somente por “vomitar” regras vazias. Se o homem age com integridade, o filho sente mais firmeza para segui-lo e o respeitará quando for orientado. “O tolo despreza a instrução de seu pai, mas o que observa a repreensão se haverá prudentemente.” (Provérbios 15.5).


Pai alcoólatra, filho suicida?
  • Marcelo Rangel / Foto: Getty Images 


reportar erro