Rede aleluia
O vilão da saúde escondido nos alimentos industrializados
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de Junho de 2021 - 00:05


O vilão da saúde escondido nos alimentos industrializados

Entenda por que é importante refletir sobre os riscos que o alto consumo de sódio traz à saúde e, dessa forma, reduzir a ingestão

O vilão da saúde escondido nos alimentos industrializados

Em um mundo que preza pela rapidez, os alimentos industrializados entram no cardápio diário ainda na infância. Apesar de toda a praticidade, há um alto nível de sódio que a população ingere sem ao menos saber sobre os prejuízos que o excesso desse mineral traz ao organismo.

O sódio é a substância que faz do sal um grande vilão. Ele é tão perigoso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de apenas 5 gramas por dia. Contudo estima-se que o brasileiro consuma pelo menos o dobro. “O sal está contido na grande maioria dos alimentos industrializados, como presunto, queijo, sopa, cereais matinais e margarinas. Esse tipo de alimento já contém uma miligramagem excessiva. Às vezes um único alimento já excede o que poderíamos consumir em 24 horas”, explica a cardiologista
Seliny Campelo.

Nesse cenário, a OMS lançou no início do mês passado um documento que estabelece novas referências globais para a quantidade de sódio presente em aproximadamente 60 grupos de alimentos e que servirão de parâmetro para que os países reduzam o teor de sal. O objetivo é promover uma melhoria na qualidade da alimentação e na saúde e reduzir o número de pessoas com enfermidades em razão da ingestão dessa substância. O guia serve como um caminho para alcançar a meta estabelecida pela própria OMS de reduzir em 30% o consumo de sal até 2025.

Problemas de saúde
O produto, que é utilizado como tempero, mas também como conservante em alimentos vendidos prontos para o consumo, está associado a doenças cardiovasculares. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), essas enfermidades são as que mais matam em todo o mundo. Só no Brasil, de janeiro a 26 de maio de 2021 foram registradas mais de 161 mil mortes por doenças cardiovasculares, de acordo com o sistema Cardiômetro, desenvolvido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Para não constar desta estatística basta investir em pequenas mudanças de hábitos alimentares, explica Seliny Campelo: “pacientes que reduzem o consumo de sal melhoram consideravelmente a pressão arterial. Às vezes, conseguimos reduzir a prescrição de medicamentos só pela melhoria do estilo de vida e dos hábitos alimentares. É importante pontuar que jovens, adolescentes, crianças ou adultos que consomem muito sal têm mais chances de desenvolver a hipertensão. Por isso, a redução do sódio é benéfica para todos”, finaliza.


O vilão da saúde escondido nos alimentos industrializados
  • Cinthia Cardoso / Arte: Edi Edson 


reportar erro