Rede aleluia

Notícias | 6 de maio de 2018 - 03:05


O significado bíblico das portas principais do Templo

Entenda a representação delas na vida cristã

Toda obra arquitetônica, como casa, prédio, hospital ou igreja, por exemplo, possui portas. Afinal, elas são essenciais para a passagem das pessoas e para que troquem de ambiente.

No Templo de Salomão, na capital paulista, as portas têm um significado especial. Elas não representam apenas a delimitação de um recinto, mas também o principal meio de acesso para se chegar a Deus.

Na Bíblia Sagrada, Jesus Cristo se compara a uma porta ao afirmar que Ele é o Único caminho que leva ao Pai, como está escrito em João, 10.9: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens”.

É com base nessa relação que a porta principal do Templo, localizada no centro, representa o Senhor Jesus e o Seu sacrifício na cruz. “Assim como temos acesso ao Templo entrando por uma porta, para termos acesso a Deus temos de entrar pela Porta chamada Jesus”, escreveu o Bispo Edir Macedo em seu blog.

Ele destacou que a atitude de uma pessoa ao entrar pela porta do Templo para participar das reuniões simboliza a sua decisão de querer a Salvação e buscar a transformação de sua vida. “Cada pessoa que decide entrar por esta Porta deve, tal qual Jesus, realizar seu sacrifício diário para obter a Salvação. Ou seja, assim que entramos pela Porta, deixamos o mundo para trás e abandonamos nossas próprias convicções, vontades e desejos carnais”, acrescentou.

De acordo com o Pastor David Roitberg, do Templo de Salomão, a porta de entrada dessa obra arquitetônica simboliza a oportunidade de mudança. “Jesus é o caminho para mudar a vida da pessoa. Ela pode estar vivendo na miséria, com sofrimentos, sob as mazelas do mal, mas, quando passa pela porta que é Jesus, tem a chance de experimentar um ambiente diferente”, completa.

Luan Vilvert, responsável pelo Jardim Bíblico, acrescenta que esse elemento de passagem faz a conexão entre o ser humano e a presença de Deus pelo fato de o Templo ser um local de manifestação do poder Divino e de reflexão. “Quando a pessoa entra, se desconecta do mundo exterior, dos problemas, das preocupações, das informações e de outras situações que podem deixar seus pensamentos distantes da certeza de que sairá do local abençoada”, alega.

Atitudes de respeito

Já que a porta principal do Templo representa Jesus, não é comum as pessoas saírem por ela. A saída costuma ocorrer por outras. “As pessoas podem acessar o Templo cerca de duas horas antes da reunião pela porta principal da entrada ou pelo estacionamento. Elas são fechadas cinco minutos antes da reunião começar e não são mais abertas. Para saírem, são liberadas apenas as portas laterais”, esclarece o Pastor David.

Essa regra não foi adotada por uma questão de escolha, mas por ter relação com o passado. “Quando o Sumo Sacerdote entrava no Santíssimo Lugar, no Tabernáculo, e fazia seu trabalho, ao sair, não poderia virar as costas para a Arca da Aliança. Era uma atitude de falta de consideração, respeito e temor com a Presença do Altíssimo. Então, quando as pessoas saem pelas laterais, é para lembrá-las que a Presença de Deus está indo com elas e que o mesmo temor, respeito, reverência e conduta que tiveram ali também precisarão ter em suas vidas todos os dias”, aponta Luan.

Detalhes


Ele descreve que ao se aproximar das portas é possível verificar que elas possuem desenhos de folhas de amendoeira. A árvore está relacionada com a história bíblica. “Na época do Tabernáculo, o Sumo Sacerdote colocou 12 varas de amêndoas secas diante da Arca da Aliança. Só que uma única vara floresceu e deu frutos: a de Arão.”

Ele aponta que esse grafismo foi criado para representar a vida das pessoas que precisa florescer da mesma forma que no passado. “Quando as pessoas passam ali têm que deixar a vida seca, que corresponde às doenças, à miséria, à infelicidade, para que se tornem um exemplo da Palavra de Deus. E, além de florescer, precisam dar frutos, como aconteceu com a vara de amêndoas.”

Outra característica importante é o uso da cor dourada, predominante em várias partes externas do Templo de Salomão. O Pastor David explica que ela foi escolhida porque o ouro, bastante usado nos objetos sagrados, simbolizava a natureza de Deus de ser imutável. “O ouro representa uma das características de Deus, que é nunca mudar. Ainda que passe o tempo, Ele sempre será o mesmo, como é o ouro.”

Como foi possível constatar, as portas do Templo de Salomão são partes importantíssimas para a vida de quem busca a Deus neste Santo Lugar. Para saber mais detalhes sobre elas e outros elementos, faça um passeio pelo Jardim Bíblico e confira muitas histórias relacionadas a essa obra arquitetônica.


  • Por Janaina Medeiros/ Fotos: Demetrio Koch  


reportar erro