Rede aleluia
O Sacrifício de Isaque
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de Junho de 2021 - 21:12


O Sacrifício de Isaque

A cena do episódio mais marcante da história de Abraão foi ao ar no capítulo desta quinta-feira (10). Veja com foi

O Sacrifício de Isaque

O sacrifício de Isaque, sem dúvidas, foi o episódio mais marcante e significativo na vida de Abraão, e um dos mais importantes do Velho Testamento.

A cena, retratada na novela Gênesis, foi ao ar no capítulo exibido nesta quinta-feira (10), causando uma enorme comoção no telespectador, que pôde acompanhar e sentir de perto o conflito interior que Abraão precisou vencer para não se deixar levar pelos pensamentos de dúvidas que bombardeavam a sua mente, enquanto caminhava rumo ao monte Moriá.

Foram três dias de caminhada em que o diabo não deu uma trégua, sempre soprando na mente de Abraão seus pensamentos com respeito ao que Deus havia prometido a ele.

Mas, mesmo angustiado, Abraão em nenhum momento titubeou. Porque, embora amasse Isaque, Deus era o primeiro em sua vida e O amava mais do que tudo, e estava decidido provar isso, não a Deus, mas a si mesmo.

Um Altar e dois sacrifícios

É importante destacar aqui que, como seres humanos e falhos que somos, por maior que seja a nossa fé e a nossa confiança em Deus, é natural sentirmos medo. Contudo, há aqueles que se deixam dominar pelo medo, e outros que usam a fé para vencê-lo. Foi o que Abraão fez. Ele escolheu ouvir a voz de Deus. Afinal, Deus já havia provado inúmeras vezes a ele o quanto o amava; agora era a sua vez.

Mas, tirando um pouco o foco de Abraão, quero chamar atenção para a reação de Isaque retratada na cena. Embora a Bíblia não mencione nada a respeito, a cena mostra que quando Isaque se deu conta de que era o “cordeiro”, ele não tentou resistir, fugir, nem sequer reclamou ou implorou ao pai que não fizesse aquilo com ele.

Ele era apenas uma criança, mas não agiu como tal. Mesmo tão jovem, o Isaque retratado na cena tinha a compreensão exata do significado do sacrifício e do que Deus representava na vida deles. Por isso, aceitou, resignado, o seu fim.

Sendo assim,  podemos avaliar que, na verdade, ali aconteceu dois sacrifícios: o de Abraão e o de Isaque. Pois se Abraão se dispôs a sacrificar o filho; Isaque, por sua vez, permitiu ser o sacrifício. Isso explicaria o porquê Deus o escolheu para dar continuidade ao pacto que fez com Abraão.

Deus foi até o fim

E ainda se preocupou se seria para Deus um sacrifício perfeito. “Pai, o senhor acha que eu vou ser um sacrifício perfeito? Será que Deus vai me aceitar?”, perguntou.

E sem que Abraão pedisse, retratou a cena, ele estendeu os braços para serem amarrados. Então, já com as mãos e os pés amarrados, Abraão o pegou no colo e o colocou sobre o Altar do sacrifício. Como dissemos acima, embora esses detalhes não estejam descritos na Bíblia, são perfeitamente prováveis.

Enquanto isso, Deus observa a tudo e, no último instante, quando Abraão estava prestes a sacrificar Isaque, Deus o impediu:

“Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho”. Gênesis 22:11,12

Concluímos, então, que se o gesto de Abraão – de não negar o seu filho em sacrifício a Deus – representa o gesto que Deus faria pela humanidade milhares de anos depois, o de Isaque simboliza o mesmo do Senhor Jesus, ou seja, que se deixou crucificar para cumprir a vontade do Pai.

Contudo, Abraão não precisou sacrificar Isaque, mas “Deus foi até o fim. Isaque foi a representação de Jesus. O que Abraão quase fez foi o que Deus teve que fazer pela humanidade”, como bem descreveu uma postagem feita no perfil da novela Gênesis, no Instagram.

“Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.” Isaías 53:7

O capítulo termina com a voz de Deus dizendo: “Abraão teria sacrificado Isaque, mas eu preferi poupá-los dessa dor. Uma dor que Eu e o meu Filho conhecemos bem”.

Acompanhe abaixo a cena na íntegra:


O Sacrifício de Isaque
  • Jeane Vidal / Fotos: Reprodução 


reportar erro