Rede aleluia
O que você faria para ter um minuto de paz?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de outubro de 2020 - 00:05


O que você faria para ter um minuto de paz?

Conheça a história de Samanta Kanehara, de 34 anos, e confira como você também pode encontrar a verdadeira Paz que tanto tem buscado

O que você faria para ter um minuto de paz?

Sem paz, dificilmente um país, uma família ou uma empresa serão bem-sucedidas, pois sobreviverão de forma frágil e insegura. A paz interior, que muitos desejam, parece ter se tornado algo distante na vida de muitas pessoas. E não é para menos. Ela não é algo que você consegue comprar na esquina ou a granel no supermercado.

Embora muitos a procurem, poucos a encontram, pois seguem buscando nos lugares errados. A paz ainda é associada a conquistas materiais, viagens e sugerida nas páginas dos livros de autoajuda. Será que você já a encontrou em algum desses locais? Certamente não.

GARANTIA
A paz é um dos nove frutos do Espírito Santo. “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.” (Gálatas 5.22-23).

O Espírito Santo é o Espírito do próprio Deus, que é dado pelo Senhor Jesus, o Príncipe da Paz. “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu (…), e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9.6).

Só Ele dá a verdadeira paz. E, se há uma paz verdadeira, é porque existe a falsa: a que não vem dEle. “Deixovos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” (João 14.27).

Essa paz verdadeira não pode ser arrancada dos que a tem, porque é uma condição daqueles que se relacionam com o Espírito Santo.

“Quando a pessoa recebe o Espírito Santo, ela recebe paz no seu interior”, afirmou o Bispo Renato Cardoso durante uma reunião do

Encontro com Deus, realizada no domingo, às 9h30. “Isso não quer dizer que não haja guerras do lado de fora, mas que, apesar das guerras, por dentro, você tem segurança, a certeza de que Deus está com você e não se entrega ao desespero”, reiterou o Bispo Renato Cardoso, falando daqueles que têm paz.

“Ao receber uma má notícia, é natural se entristecer, ficar apreensivo por um momento, mas logo vem o Espírito Santo e dá força. Você não desaba diante da situação”, finalizou.

“Um inferno em mim”
Samanta Kanehara, (foto abaixo) de 34 anos, chegou à Universal há oito anos. “Eu era completamente infeliz, vazia, cheia de traumas. Não sabia o que era amor. Não conseguia dormir, pois não tinha um minuto de paz.”

Aos 15 anos, sofreu abusou sexual por parte do próprio namorado. Aos 17 anos, deu fim a um relacionamento, mas seu namorado, um traficante, não aceitou o término e ela precisou fugir. “Acabei indo morar em Copacabana, no Rio de Janeiro, depois de ver um anúncio no jornal. Chegando ao local, soube que era um apartamento onde moravam dez garotas de programa. Apenas observava a movimentação, mas, passado um mês, sem dinheiro, sem emprego e sem poder voltar para casa, entrei nesse mundo e fiquei nele oito anos”, recorda.

No início, a falsa sensação de bem-estar e o retorno financeiro camuflavam a situação. Com o passar do tempo, ela percebeu que estava presa àquela vida. “Comecei a beber todos os dias. Assim que acordava, bebia. Já tinha perdido meus princípios, minha dignidade e não tinha mais nada a perder. Em um dos programas, acabei usando cocaína com o cliente. Senti que estava no fundo do poço”, relembra.

Ela só sorria quando estava alcoolizada. “Não acreditava em mim, achava que nunca seria feliz e que estava predestinada a sofrer. Era uma dor tão grande que a minha alma gritava por socorro, mas ninguém ouvia. Me sentia sozinha, abandonada. Mesmo rodeada de pessoas, me sentia só. Um inferno morava dentro de mim. Não sabia o que significava ter paz, porque eu nunca a tive.”

“Encontrei a paz”
Tudo mudou quando Samanta decidiu participar de uma reunião na Universal, depois de acompanhar uma programação de rádio com o Bispo Edir Macedo. “Dentro de um banheiro, gritei por socorro a Deus e pedi ajuda para sair daquela situação. Uma semana depois, encontrei o meu Senhor Jesus. Fui ao encontro dEle e pela primeira vez na minha vida tive paz. Desde que encontrei o Espírito Santo fui transformada de dentro para fora. Não tem preço, dinheiro, relacionamento, viagens, nada se compara ao que tenho hoje, que é a paz do Espírito Santo. Hoje tenho meu próprio negócio e sou casada com um homem de Deus”, finaliza.

Se você também deseja encontrar essa paz, não desperdice essa chance: hoje, dia 11, vá ao Encontro com a Paz em uma Universal próxima de você. Não perca.


O que você faria para ter um minuto de paz?
  • Flavia Francellino / Foto: Getty images e Demetrio Koch 


reportar erro