Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de julho de 2018 - 03:05


O Ouro e o Altar

Na frente das pessoas, você é prestativo, está sempre à disposição, é religioso, mas, e diante de Deus, quem você é? O Livro do Bispo Edir Macedo aborda esta e outras questões

Qual o motivo que o impulsiona a fazer o bem ou a se envolver em uma atividade na Igreja? Independentemente de sua resposta, o que conta de verdade é a intenção por trás das suas atitudes. Suas boas ações ou atividades de fato são para Deus?

Em um dos trechos do livro O Ouro e o Altar, de autoria do Bispo Edir Macedo, o leitor é levado a refletir sobre o alerta que o Senhor Jesus fez aos religiosos no capítulo 23, do livro de Mateus, e que se refere ao orgulho e à vaidade deles.

Na época, os líderes de Israel amavam os primeiros lugares nos banquetes e andavam pelas praças e mercados para serem notados e saudados com títulos que os honravam publicamente. E isso mostra que nem sempre a ambição da pessoa ao se envolver com as coisas da igreja é de servir a Deus.

Para o autor, o homem tem muita sede de receber a dignificação humana e tantas outras futilidades, o que tem feito o meio evangélico se encher de orgulho pessoal. “Quantos rapazes ingressam no ministério pastoral movidos pela ambição de serem chamados de ‘Pastor’ ou ‘Bispo’? O mesmo acontece com certas jovens que querem se casar com pastor, mas, lá no íntimo, não têm a intenção de dedicarem a vida ao auxílio dos aflitos. O que algumas carregam dentro de si é a vontade de serem ‘senhoras’ e ostentarem um título na Igreja.”

Como o mal trabalha

A religiosidade não blinda ninguém contra o diabo. Primeiro, ele ilude muitos cristãos a acreditarem que estão bem na fé, quando, na verdade, estão mal e cegos espiritualmente. Por isso, ao enfrentarem uma tentação, não conseguem e sucumbem diante das trevas. A queda de um Pastor ou de um obreiro não se dá do dia para a noite. É um processo que pode levar um tempo.

“Para conseguir influência e autoridade entre os que foram lavados no Sangue do Cordeiro, satanás instiga as pessoas a fazerem as suas próprias vontades. Essa é uma das maneiras mais usadas por ele para desafiar o Senhor. Ademais, usa toda a sua sagacidade para fazer com os servos do Altíssimo o mesmo que fez com os anjos no Céu. Sua ação é incansável e visa oferecer ao ser humano aquilo que vai corrompê-lo.”

O Ouro e o Altar é uma leitura recomendada aos que desejam reavaliar suas atitudes diante de Deus.


  • Por Michele Francisco / Fotos: Demetrio Koch e Reprodução 


reportar erro