Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de dezembro de 2019 - 00:05


Novelas da Rede Globo zombam da fé alheia e exaltam o mau-caratismo

A fé não salva ninguém. As igrejas cristãs são apenas agrupamentos de religiosos fanáticos e estelionatários. Ademais, toda conversão cristã é uma farsa adotada pelos desajustados socialmente. É isso o que a Rede Globo quer que você pense. Prova disso é o final de sua mais recente novela do “horário nobre”, A Dona do Pedaço. De nobre, o folhetim não teve um capítulo sequer. E o último foi o mais preconceituoso. Nele, uma das vilãs revelou que havia fingido sua conversão ao cristianismo e fugiu com o filho de um milionário. Ainda houve tempo para a falsa cristã cometer homicídio.

Aliás, a conversão dessa personagem aconteceu dentro de uma penitenciária: mais um claro desrespeito ao trabalho realizado pela Universal, que busca ressocializar pessoas que estão pagando por seus crimes.

Com a Palavra de Deus, a Universal já alcançou e auxiliou na transformação de milhares de pessoas. E, como a Palavra de Deus exige, a fé é demonstrada com obras. São mais de 27 mil pessoas no mundo inteiro auxiliando na reintegração de quem errou, mas que quer voltar para a sociedade como uma nova pessoa, com uma vida digna e honesta.

E, como diz o jargão já popular, isso a Rede Globo não mostra!

Para a emissora, esse trabalho social é um insulto. Por isso, sempre que possível, utiliza sua programação para ofender os cristãos.

Embora alegue que novelas são apenas ficções, o posicionamento da Rede Globo deixa muito claro que os folhetins são usdos como ferramenta para disseminar o ódio aos cristãos.

Basta perceber que qualquer evangélico da dramaturgia global sempre é retratado como fanático, iludido ou criminoso.

Há quem diga que telenovelas não têm o poder de influenciar a vida de ninguém, mas há apenas um ano a novela Segundo Sol, também exibida no horário das 21h, incentivou uma mulher a matar a própria mãe. A carioca Paloma de Vasconcelos cometeu o matricídio imitando uma cena que a novela exibiu horas antes do crime.

“A homicida confirmou que se inspirou na telenovela para cometer o crime”, afirmou, na ocasião, o inspetor da Polícia Civil responsável pelo caso.

O que a Rede Globo faz só estimula a intolerância contra os cristãos, especialmente os evangélicos. Prova disso é o que aconteceu recentemente com a igreja Sara Nossa Terra. Na manhã do dia 22 de novembro, o local em que eram realizados cultos em Santa Maria Sul (DF) foi invadido e depredado.

Na ocasião rasgaram Bíblias, derrubaram bebida alcoólica e urinaram no altar. Além disso quebraram cadeiras, mesas, instrumentos de som, materiais de trabalhos desenvolvidos com as crianças e até as paredes. Espalharam argamassa por todo o local. O Bispo Robson Rodovalho, líder da Sara Nossa Terra, publicou um vídeo exibindo a destruição. Na legenda, ele relata: “Isso é inadmissível! Entraram hoje numa igreja nossa em Santa Maria Sul, uma igreja apaixonada por cumprir o propósito e levar a Palavra de Deus e tirar vidas do inferno, reestruturar famílias, jovens das drogas, jovens do crime e muito mais”.

Essa depredação é o resultado do ódio aos cristãos que empresas como a Rede Globo têm disseminado. Ainda que a telenovela seja uma ficção, a influência sobre a vida das pessoas pode ser enorme. Isso em todos os aspectos!

É muito importante tomar cuidado com aquilo que estamos assistindo. É verdade que as telenovelas globais pregam o ódio religioso, mas o ataque à sociedade brasileira vai muito além disso.

Primeiramente, a própria personagem Josi, a “falsa cristã”, termina a novela feliz momentos após ter cometido um homicídio. Ou seja, para ela o crime compensa. A lição aprendida aí é que, independentemente do crime que se tenha cometido, sua vida será feliz e cheia de aventuras.

E toda essa inversão de valores é comum nas novelas da emissora. Esses são apenas alguns exemplos de como as tramas globais têm disseminado seus valores distorcidos na sociedade brasileira. É esse o modelo que o Brasil quer seguir? A violência impune, o ódio aos cristãos e a banalização do sexo que as novelas da Rede Globo exibem?


  • Redação / Foto: Reprodução 


reportar erro