Rede aleluia

Notícias | 22 de maio de 2018 - 03:05


Mulher é condenada à morte por apedrejamento

Ela foi considerada culpada por adultério, enterrada até o pescoço e apedrejada

Uma mulher foi enterrada até o pescoço e apedrejada até a morte por infidelidade na Somália. Shukri Abdullahi Warsame foi acusada de se casar com 11 homens sem se divorciar de nenhum. O grupo jihadista Al-Shabab, que controla politicamente a região, pratica a interpretação mais rígida da Sharia, lei islâmica. Foi esse grupo quem realizou o julgamento e a execução da moça.

É isso o que Jesus faria?

Embora o casamento deva ser respeitado, a rigidez jihadista é totalmente contrária ao ensinamento cristão deixado pelo próprio Senhor Jesus. É possível verificar isso ao ler o início do capítulo 8 do livro de João, onde uma mulher é salva de ser apedrejada.

Na época, a lei judaica defendia que a adúltera deveria morrer a golpes de pedra, mas também descrevia punições para outros crimes. Em Sua sabedoria, o Senhor fez com que cada um dos acusadores percebesse que era tão pecador quanto a acusada. Quando todos partiram Ele afirmou: “Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais.”

Essa passagem demonstra que Deus está disposto a perdoar qualquer pessoa, desde que essa esteja arrependida e se comprometa a não cometer o mesmo erro novamente. A escritora Viviane Freitas, em seu blog, explica que “o Senhor Jesus, que realmente não cometeu nenhum pecado – o Único – poderia acusar aquela mulher, mas não o fez. Porque Ele não veio para condenar, mas para salvar!”

Se o Senhor Jesus livrou uma adúltera da morte, quem são os homens para tirar a vida de alguém pelo mesmo crime? A Bíblia esclarece que Deus Se sente feliz ao conceder a Salvação para o homem, independentemente do pecado que ele tenha cometido no passado. Foi para isso que o Senhor Jesus veio à Terra. Você tem a oportunidade de alcançar essa Salvação e se afastar do pecado hoje mesmo. Visite a Universal mais próxima de sua casa e saiba como.


  • Por Andre Batista / Imagem: Fotolia 


reportar erro