Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de fevereiro de 2020 - 09:46


“Meu passatempo era ganhar dinheiro no tráfico”

Paulo Ricardo foi preso várias vezes, mas a verdadeira prisão estava dentro dele

O operador de produção Paulo Ricardo da Silva de Aguiar, de 20 anos, conta que teve uma infância humilde. Entre os 7 e os 12 anos de idade, ele acompanhava a mãe às reuniões da Universal, mas, durante a adolescência, se aproximou de más companhias. “Eu matava aula e foi na porta da escola que experimentei maconha pela primeira vez. Por causa dessas influências, me envolvi com o tráfico de drogas muito cedo. Eu obtinha dinheiro rápido, o que parecia ser fácil. Nesse período, traficava na boca de fumo do bairro e na escola”, diz.

Aos 14 anos, Paulo foi detido por tráfico pela primeira vez e levado à Fundação Casa. Ele permaneceu lá por um ano. Após 24 dias de liberdade, foi apreendido novamente e essa história continuou se repetindo mais algumas vezes.

“A cada detenção, meu passatempo era ganhar dinheiro no tráfico e não ser pego pela polícia. Me envolvi em muita confusão dentro e fora das Fundação, não tinha paz e achava que a qualquer hora seria morto. Eu tinha medo, mas aparentava valentia”, destaca.
Depois que ele conquistava a liberdade, começava o tormento dentro de sua casa. Ele vivia agredindo sua mãe, a doméstica Maria Evanilde da Silva, de 43 anos, e a irmã, a estudante de nutrição Letícia da Silva Aguiar, de 23 anos. Ele revela que a convivência com elas era bem difícil: “elas sempre me tratavam bem, falavam de Jesus para mim, mas eu não dava ouvidos e não suportava a presença delas.

Então, montei uma casa com o dinheiro do tráfico e fui morar com uma namorada”, narra.

Nesse período, Paulo gerenciava pontos de tráfico e já havia se tornado conhecido entre os traficantes e os policiais. Porém ele foi detido mais uma vez. Ao todo foram, sete apreensões e dois anos e oito meses cumprindo medidas socioeducativas.

Na última apreensão, ele ficou sabendo que a namorada havia lhe abandonado e que ela já estava se relacionando com outro homem.

Então, seus planos mudaram. Paulo não projetava mais crescer no tráfico, mas como matar a ex-namorada. “Fiquei cego de ódio e queria fugir da Fundação só para me vingar dela. Não me importava que depois eu fosse direto para a cadeia.”

Sua mãe, ao saber de sua intenção, mais uma vez lhe falou sobre o amor do Senhor Jesus e que era possível que ele recomeçasse sua vida. Além disso, fez o filho prometer que iria à Igreja com ela assim que conquistasse a liberdade novamente. “Naquele dia, senti o desejo de mudar, mas não sabia como. Em uma ligação, a minha irmã, que é obreira na Universal, pediu para que eu fizesse uma oração a Deus.

Apesar de me achar sem jeito, fiz e ali começou minha transformação”, conta.

Verdadeira liberdade
Pouco tempo depois, em uma sexta-feira, Paulo foi com a mãe a uma reunião de libertação na Universal. Daquele dia em diante ele não teve mais desejo de vingança. Ao continuar buscando a Deus, obteve paz interior, se libertou dos vícios e se batizou nas águas. “Hoje sou feliz, trabalho, amo e trato bem a minha família. Recebi o Espírito Santo, que é a força da minha vida, e tenho o privilégio de levar a Palavra de Deus para pessoas que estão na mesma situação em que estive”, finaliza.


  • Kelly Lopes / Foto: Getty Images e Mídia FJU 


reportar erro