Rede aleluia
“Meu Deus, não é justo que o Teu servo morra dessa forma”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de Abril de 2021 - 23:27


“Meu Deus, não é justo que o Teu servo morra dessa forma”

Foi o que Izete Miranda indagou, quando viu seu marido José Lobato intubado por causa da Covid-19

“Meu Deus, não é justo que o Teu servo morra dessa forma”

São 35 anos de casados e 19 servindo a Deus como obreiros na Universal da cidade de Moju, em Belém do Pará. O trabalho evangelístico em favor das almas realizado pelo casal José Maria Lobato Miranda, 60, e Izete de Souza Costa Miranda, 55, nunca cessou.

Mas, em abril de 2020, José Miranda não se sentiu muito bem. Os familiares, preocupados, o levaram à UPA da cidade. Após exames, foi constatado que José estava com alteração na diabetes, pressão e febre altas, contudo, após medicado, ele foi liberado para voltar para casa.

Na semana seguinte, o obreiro José voltou à UPA. Desta vez, no entanto, fez um exame mais complexo e foi detectado que ele estava com a Covid-19. Por medida de precaução, ele ficou isolado no hospital do município, mas, após seis dias e agravamento da situação, teve que ser transferido para a capital, em Belém.

“[Na ocasião], meu marido teve que ser intubado; após um mês realizaram a extubação, mas como houve uma piora, dois dias depois voltaram a intubá-lo, e ele ficou nesta situação por mais um mês”, disse a obreira Izete.

Por não aceitar a situação em que o marido se encontrava, Izete fez um voto com Deus e pediu a cura completa do marido.

“Eu usei a fé, fiz um propósito com Deus e pedi a Ele que o curasse, foi então, que ele conseguiu sair dos aparelhos de intubação”, relatou.

Porém, a luta continuou…

A primeira de muitas lutas foi vencida: o obreiro José já havia se livrado da intubação, mas a situação que ele se encontrava era bastante crítica. Ele começou uma terapia intensiva que durou três meses e 14 dias.

“Ele se alimentava por uma sonda inserida pelo estômago, os médicos falaram que ele teve uma paralisia meridiana nas cordas vocais e não ia mais se alimentar por via oral”, comentou.

Após um total de cinco meses e 15 dias no leito do hospital, o obreiro José recebeu alta.

“Passamos por um momento bem difícil, mas o nosso voto com Deus o libertou da doença e ele ficou curado. Eu lembro que falei para Ele; ‘meu Deus, não é justo que o teu servo morra dessa forma’. Hoje ele está totalmente curado, todos os problemas da doença que ele tinha como: diabetes e pressão alta não existem mais; ele tem uma vida normal!”, comemorou a esposa.

Onde buscar a cura?

Você está enfrentado um período difícil em sua vida? Acredite, para Deus nada é impossível. Participe da maior corrente de cura e libertação: a Corrente dos 70.

Semanalmente, são milhares de testemunhos de quem recebeu a cura total pela fé. Sobretudo, provando que o tempo de milagres não acabou, com a autoridade que Deus deu a esses homens para curar todo tipo de enfermidade.

A saber, as reuniões acontecem todas as terças-feiras, às 10h, 15h e 20h, no Templo de Salomão, localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no bairro do Brás, zona leste de São Paulo. Para mais informações sobre as reuniões em sua localidade, procure a Universal mais perto da sua casa e converse com um pastor.


“Meu Deus, não é justo que o Teu servo morra dessa forma”
  • Sabrina Marques / Fotos: Cedidas 


reportar erro