Rede aleluia
Membros da Universal de Angola são atacados pela polícia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 5 de Abril de 2021 - 13:19


Membros da Universal de Angola são atacados pela polícia

Fiéis protestavam contra as injustiças que o governo e ex-lideranças afastadas têm realizado contra a Igreja e seus membros e líderes

Membros da Universal de Angola são atacados pela polícia

“Queremos justiça”, clamavam milhares de membros da Universal de Angola, na África, nas ruas, quando a Polícia Nacional os atacou covardemente, com violência, socos, chutes, pisando nelas, dando golpes de cassetete e tiros, no dia 23 de março, data em que se comemora a Libertação da África Austral e que marca o fim de uma sangrenta batalha entre Angola e Cuba, país que defendia os interesses comunistas da então União Soviética no território angolano.

Os fiéis ocuparam as ruas centrais de Luanda, capital angolana, para manifestar civilizadamente sua indignação pelo que o governo angolano vem fazendo com a Universal, que tanto ajudou o povo daquele país em sua reconstrução depois de uma guerra civil que o desestabilizou econômica e socialmente.

Recentemente, Bispos e Pastores da Universal angolana foram afastados pela Igreja por má conduta e roubos, mas o governo angolano atual os considerou como dirigentes oficiais da Universal, afastando os bispos e pastores genuínos, bem como os membros, que foram expulsos dos templos onde iam adorar a Deus e aprender a viver sob Seus ensinamentos.

O governo e seus agentes fizeram dos brasileiros da Universal seus alvos, tirando-os dos templos e até de suas casas violentamente, em uma atitude de intensa xenofobia (preconceito contra estrangeiros), em contraste com a posição tomada pela maioria dos membros angolanos da Igreja. O governo e as lideranças afastadas (que se autointitulam “reformadores”) alegam uma coisa, mas o próprio povo angolano fala outra, enquanto os atos violentos do primeiro grupo falam por si mesmos.

Há uma semana, agentes da polícia entraram em um templo luandense da Universal e dispararam bombas de gás lacrimogêneo para tirar de lá os fiéis e pastores. Uma frequentadora que estava presente tanto no templo quanto na manifestação do dia 23 mostrou sua revolta durante o protesto: “somos todos angolanos, aqui não tem brasileiro. Então, a minha pergunta ao senhor ministro (da Cultura) e ao senhor presidente é: será que nós, por aderirmos à Igreja Universal, passamos a ser estrangeiros? E a polícia nos disse ‘vocês vão morrer, porque nos foi ordenado assim’”, questionou e revelou em entrevista à Record TV local.

Impedidos de entrar nos templos da Universal, os manifestantes se ajoelharam na rua e nas calçadas para orar e adorar a Deus, quando sofreram uma nova investida da polícia. “Nós estávamos orando e a polícia apareceu e começou a bater, mas bater por quê? Nós não estávamos fazendo nada de mau! Não levamos facas, armas e ferros. Nós fomos apenas orar, buscar e pedir o nosso direito”, disse outra membro entrevistada pela Record TV.

Ela ainda sofre com as lesões da agressão: “eu estou com o joelho inflamado (e o mostrou bastante inchado). Eu tenho filhos para criar e estou no chão. Como posso, agora, sustentar meus filhos? Não posso trabalhar nem fazer nada”, lamentou, revoltada.

Enquanto isso, o governo angolano continua a não fazer nenhuma declaração à imprensa local e internacional sobre o assunto das agressões praticadas sob suas ordens.


Membros da Universal de Angola são atacados pela polícia
  • Redação / Imagem: Reprodução 


reportar erro