Rede aleluia
Marcelo Crivella e Osmar Terra são alvos do “ódio do bem”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Novembro de 2020 - 12:17


Marcelo Crivella e Osmar Terra são alvos do “ódio do bem”

Os dois têm sido criticados, principalmente, na internet. Entenda

Marcelo Crivella e Osmar Terra são alvos do “ódio do bem”

Nesta sexta-feira (20), o cantor e compositor Lulu Santos utilizou sua conta no Twitter para desejar a morte do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. Em seu post Lulu disse: “Crivella vc [sic] vai morrer e ir pro [sic] inferno”.

O post feito pelo cantor brasileiro aconteceu em meio à corrida eleitoral do segundo turno para a prefeitura da cidade maravilhosa. Muitos curtiram sua publicação, o que sugere que essas pessoas fazem coro à fala do cantor.

Algumas, além de curtirem, também fizeram comentários concordando com Lulu Santos. “Possivelmente, não será bem recebido, o diabo não quer concorrente. Ficará vagando”, disse um internauta.

Osmar Terra

Da mesma forma, o deputado federal e aliado de Bolsonaro, Osmar Terra, tem sido alvo de ataques nas redes sociais, desde que foi diagnosticado com COVID-19, no último dia 13 de novembro.

Por ser defensor do uso da hidroxicloroquina e ivermectina no tratamento da doença, internautas têm destilado o “ódio do bem” contra o parlamentar.

Em uma postagem no Twitter, um usuário escreveu: “Quer dizer que o Osmar Terra entrou para o time de maricas? É isso mesmo? Quero os risos na minha mesa em um minuto.”

Outro internauta compartilhou uma foto de um rojão onde estava escrito: “Fico triste com essa notícia”. Uma clara ironia ao estado de saúde do deputado.

Apesar das críticas, o deputado segue internado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e apresenta quadro estável, segundo o último boletim médico, divulgado nesta segunda-feira (23).

Ódio do bem

Lulu Santos e tantos outros artistas e anônimos brasileiros fazem parte de uma militância esquerdista que têm feito barulho no País. Eles pregam democracia, diálogo e pluralidade de ideias, mas isso não acontece com quem discorda de seus pensamentos ideológicos.

O famoso “ódio do bem” está ficando cada vez mais escancarado na sociedade. Ou seja, quando um grupo ou pessoa destila seu veneno, ódio, falta de respeito e intolerância a seus opositores travestidos de “liberdade de expressão.”

Todavia, o que mais impressiona é que essas mesmas pessoas são as primeiras a levantarem a bandeira de “respeito ao diferente.” Nunca se cultivou tanto ódio em forma de “luta pela democracia”.

E nessa “luta” vale tudo. Vale desejar a morte de Bolsonaro; vale dizer que o Brasil só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último pastor da Universal e vale, inclusive, produzir vídeo utilizando a cabeça do presidente como bola em uma partida de futebol.

A verdade é que para essas pessoas que pregam a democracia e o amor é proibido divergir. Só há diálogo quando se pensa como eles. Se há divergência, não se pode estabelecer uma discussão. Durante um bom tempo esse foi o comportamento da maioria das pessoas, até que a operação Lava Jato revelou o que, realmente, estava acontecendo em nosso país e o povo reagiu conduzindo ao Planalto um homem que teve a coragem de romper com o sistema apodrecido da política nacional.

Desde então, esse “ódio do bem” vem se manifestando e aumentando. A cada dia que passa, a esquerda fica mais intolerante com o divergente e tenta, sem sucesso, aniquilar seus opositores. Com eles não há diálogo, apenas um monólogo, onde só há “lugar de fala” para quem concorda com a cartilha ideológica.

“Nessa sociedade onde as emoções são manipuladas, as pessoas são manipuladas. Você tem o direito de odiar certos grupos de pessoas e isso é lindo e aplaudido. Mas quando você odeia ou manifesta qualquer coisa contrária a outros grupos defendidos pela grande mídia, então você é um fascista”, destacou, recentemente, o Bispo Renato Cardoso.

O Bispo, ainda, ponderou que as pessoas que destilam o ódio do bem “são, supostamente, intelectuais” e que “deveriam ter aprendido a debater ideias”. Ao que parece, só há um interesse: defender os seus próprios.

Por isso, antes de sugerir a morte do prefeito do Rio de Janeiro, Lulu Santos deveria aprender a discutir ideias, sem desejar a morte de ninguém e, sobretudo, já que acredita no inferno, aprender, com base na Bíblia, quais atitudes e comportamentos condenam uma pessoa a este lugar.


Marcelo Crivella e Osmar Terra são alvos do “ódio do bem”
  • Redação / Fotos: Getty Images  


reportar erro