Rede aleluia
Palestinos islâmicos disparam mais de 1.800 mísseis contra Israel
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de Maio de 2021 - 23:07


Palestinos islâmicos disparam mais de 1.800 mísseis contra Israel

Sistema antimísseis israelenses tem funcionado, mas já há mortos no país

Palestinos islâmicos disparam mais de 1.800 mísseis contra Israel

Palestinos islâmicos já dispararam 1.800 projéteis contra Israel, sendo que muitos deles foram interceptados pelo sistema antimísseis israelense chamado “Domo de Ferro”. Pelo menos 200 deles foram lançados, mas caíram na própria Faixa de Gaza, onde os palestinos estão baseados.

Os bombardeios foram iniciados na última segunda-feira, 10 de maio, quando se comemora o “Dia de Jerusalém”, data que marca a conquista israelense sobre a parte oriental da cidade, no ano de 1967. Dois grupos islâmicos – o Hamas e o Jihad Islâmica – assumiram os ataques.

Pelo menos 9 pessoas morreram em Israel até o momento em decorrência dos ataques, sendo que uma era menor de idade. Centenas ficaram feridas.

Israel respondeu aos ataques e o Exército do país afirma já ter matado, pelo menos, vinte milicianos.

Além dos ataques aéreos vindos da Faixa de Gaza, as autoridades de Israel também precisam lidar com violentos tumultos em cidades onde vivem árabes e israelenses. Ainda não se sabe o número exato de mortos nesses conflitos, pois a apuração é bastante complicada no local. A polícia israelense afirma já ter prendido 750 pessoas envolvidas nos tumultos.

Os ataques e os protestos continuam ainda hoje, 14 de maio. A agência de notícias internacional AFP divulgou entrevista com um representante palestino não-identificado. De acordo com ele, o grupo poderia manter o poder de fogo dos ataques dos últimos dias por “um período significativo de tempo”.

Os palestinos possuem diferentes tipos de mísseis, com diferentes alcances e poderes de destruição. Há projéteis que chegam a 200 km. Dessa maneira, eles poderiam atacar a capital Tel-Aviv, Jerusalém e muitas outras regiões israelenses.

Pelo menos 139 pessoas já morreram na própria Faixa de Gaza. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu afirmou estar trabalhando pelo bem do povo de Israel. Já o presidente palestino, Mahmud Abbas, está na Cisjordânia. Ele conversou com o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, para pedir ajuda para acabar com “os ataques israelenses”.

ONU e Estados Unidos trabalham para reestabelecer a ordem na região.

O Jornal da Record exibiu uma reportagem sobre o caso. Confira:

(*Atualizado em 15/05/2021 – 11H50)

 


Palestinos islâmicos disparam mais de 1.800 mísseis contra Israel
  • Redação / Foto: Reprodução 


reportar erro