Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de junho de 2018 - 03:05


Governo cria lei que permite a doação de quase 800 mil reais para uma igreja na Palestina

A iniciativa tem sido criticada desde o início deste ano, entenda

No dia 26 de janeiro deste ano, o Universal.org noticiou sobre a decisão do Ministério das Relações Exteriores doar um valor de quase R$ 800 mil para uma igreja em Belém, na Palestina.

Mesmo diante de polêmicas e oposições, o Governo continuou com a proposta que se tornou a Lei nº 13.669. A publicação no Diário Oficial da União (DOU) ocorreu no dia primeiro do mês de junho deste ano.

A Basílica da Natividade é administrada pelo governo palestino e pelas igrejas greco-ortodoxa, armênia e católica romana. Além disso, ela já recebe aporte de países como Alemanha, Bélgica, Chile, Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Marrocos, Polônia, Rússia, Santa Sé e Turquia (além de organizações e simpatizantes da causa).

Por isso, um dos pontos levantados contra essa decisão é que o Brasil enfrenta um momento delicado em sua economia para fazer esse tipo de doação financeira.

Outra preocupação apontada pelos críticos da iniciativa é a de que o valor possa ser revertido para a promoção de ataques contra Israel.

“Temos o receio de que o dinheiro seja desviado para atividades de grupos locais terroristas que possam fazer uso para ataques a Israel. Não temos nada contra a Basílica, mas quem garante que o dinheiro vai ser utilizado lá? É uma preocupação nossa”, declarou Ricardo Berkiensztat, vice-presidente executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), em entrevista ao R7.

Em um documento intitulado “Exposição de Motivos”, publicado pelo Planalto, datado de 22 de dezembro do ano passado, o Governo disse que a iniciativa visa mostrar afeto pela Basílica.


  • Da Redação / Foto: Berthold Werner/ Wikimedia Commons 


reportar erro