Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de fevereiro de 2020 - 13:54


“Eu não queria cuidar das minhas filhas”

A doença tem incapacitado pessoas em todo o mundo. Confira como Débora Lebrão venceu o problema

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) há mais de 11 milhões de pessoas diagnosticadas com depressão no Brasil. É a doença mais incapacitante do mundo e a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos.

A secretária Débora Marques Lebrão, de 52 anos, conta que fez parte dessa estatística, mas que, depois que começou a participar das reuniões na Universal, às sextas-feiras, foi curada. “Eu era nervosa, tinha a vida sentimental destruída e, com isso, desenvolvi uma depressão profunda. No ápice da depressão, quando pensamentos de suicídio surgiam o tempo todo, recebi um convite para ir à Igreja.”

A secretária já tinha buscado ajuda em muitos lugares, mas a doença persistia. “Um fato marcante de todo esse sofrimento foi que eu não queria cuidar das minhas filhas e só chorava o tempo todo. Minha vida não tinha sentido. Procurei ajuda com psiquiatra, mas ele dizia que não existia cura.”

Débora estava há três meses sem sair do próprio quarto. Um dia decidiu fazer uma oração sincera. “Lembrei do convite que recebi do meu ex-marido para ir à Igreja e, então, falei com Deus que se Ele me levantasse daquela cama eu iria servi-Lo e nunca mais iria largá-Lo. Isso me deu forças para deixar o quarto. Lembro que liguei a TV e o pastor fez uma oração com o copo de água. Tomei a água e aquilo foi um refrigério em minha alma. No dia seguinte fui à reunião. Antes mesmo de a reunião começar, eu já estava mais calma. Senti como se tivessem tirado um peso de cima de mim.”

Um passo de fé
Débora conta que observou uma diferença em seu interior. “Naquele mesmo dia, dormi a noite inteira pela primeira vez depois de muitos meses. Não tem como descrever a paz que invadiu o meu interior”, diz.

Hoje, a história de transformação dela tem ajudado milhares de pessoas que passam pelo que ela passou. “Tenho a força que vem de Deus para enfrentar qualquer situação, pois Ele está comigo”, conclui.


  • Ana Carolina Cury / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro