Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de julho de 2016 - 03:03


Espontaneidade do sacrifício

A unica coisa que pode impor a uma pessoa sacrificar é a fé

Não há como falar sobre sacrifício sem mencionar a sua espontaneidade. Se existe alguma obrigação no sacrifício, essa deve ser exclusivamente imposta pela fé do sacrificante, sem a interferência de terceiros. O sacrifício deve ser tão espontâneo quanto a fé. O Altar de Deus é o único lugar separado para esse tipo de oferta. Os Montes Sinai, Carmelo Calvário e Moriá, além dos Montes das Oliveiras e da Transfiguração, entre outros, foram usados no passado como referenciais do relacionamento verdadeiro entre o Senhor Jesus e os heróis da fé. Cada um destes heróis teve um determinado monte ligado à sua vida:

Abraão está ligado ao Monte Moriá, que também é chamado de “O Senhor Proverá”, porque foi lá que ele ofereceu o seu filho, Isaque, como sacrifício.

Moisés está ligado ao Monte Sinai. Foi neste lugar que ele se rendeu à chamada de Deus.

No Monte Hor, Moisés retirou a vestimenta sacerdotal de Arão e a colocou em seu filho para substituí-lo. Também foi lá que ele morreu e foi sepultado, por ordem de Deus.

No Monte Gerizim, Moisés ordenou que fosse pronunciada a bênção, e no Monte Ebal, a maldição (Deuteronômio 11.29).

No Monte Ebal, Josué edificou um Altar ao Senhor (Josué 8.30).

Davi está ligado ao Monte Moriá, porque lá estava a eira de Araúna, na qual ofereceu sacrifícios que interromperam a praga em Israel.

Salomão edificou o templo do Senhor no Monte Moriá.

O profeta Elias está ligado aos montes Carmelo e Sinai. No primeiro ele desafiou os profetas de Baal, e no segundo encontrou refúgio quando fugiu de Jezabel.

O ministério terreno do Senhor Jesus está marcado pelos seguintes montes: Oliveiras, Transfiguração, Bem-aventuranças e, finalmente, o Calvário, no qual foi sacrificado. A sua ligação ao Monte de Sião diz respeito ao dia em que o Senhor Jesus glorificado estará com os 144 mil (Apocalipse 14.1).

Os heróis da Bíblia subiram montes e montanhas para expressar a sua fé extraordinária no Deus Vivo por meio de sacrifícios. Para eles, os montes e montanhas serviram como altares naturais para a materialização da própria fé que os estimulou na escalada.

Portanto, a fé, como brasa viva no interior de cada ser, impõe atitudes que a razão não explica. Daí a certeza da necessidade de o sacrifício ser pessoal e feito por livre e espontânea vontade.

Compartilhe nas redes sociais.

(*) Texto retirado do livro “Mensagens do bispo Macedo”


  • Por bispo Edir Macedo (*) / Foto: Thinkstock  


reportar erro