Rede aleluia
Entrelinhas: ausência paternal
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de Agosto de 2022 - 18:04


Entrelinhas: ausência paternal

Programa deste domingo (7) abordou amplamente sobre a falta de referência masculina na vida familiar

Entrelinhas: ausência paternal

O número de crianças sem o nome do pai no registro de nascimento tem apresentado uma alta nos últimos nos. Em 2020, cerca de 5,91% dos nascidos não tiveram o registro paterno. Neste ano, o número aumentou para 6,62%.

Por que isso é importante:

O reconhecimento de um filho é parte da atuação de um pai. É preciso muito além para ser reconhecido verdadeiramente como tal, como amor, afeto e presença. Muitos não tiveram uma referência familiar e até querem ser diferentes. Contudo, acabam cometendo erros na criação dos próprios filhos. Afinal, qual a referência que um pai deve ter para que seja tido como exemplo e coluna da família?

Impacto da ausência paternal:

Durante o Entrelinhas que foi ao ar na noite deste domingo (7), Bispo Renato Cardoso, acompanhado do Bispo Adilson Silva, falou sobre o assunto.

O que os Bispos falaram:
  • “A maioria das crianças que nascem, especialmente, fora do casamento, nascem com a ausência do pai e seguem assim por toda infância. Se não, por toda a vida. Este é um problema não só social, pois governos têm que ter ações para remediar essa situação. Mas pouco se fala sobre o impacto que isso causa na própria criança”, disse Bispo Renato.
  • “Há pais que não registram os filhos, como também existem aqueles que colocam o nome, mas nunca assumiram a posição de pai. Com isso, o filho cresce sem uma referência. E isso, na sociedade, vai virando uma bola de neve”, salientou o Bispo Adilson Silva.
  • “Queremos lembrar e deixar aqui bem claro, que não estamos apontando os homens apenas, pois esse é um problema coletivo. As mães também, muitas delas, tiveram parte da culpa de terem trazido uma criança ao mundo sem um relacionamento estável. Se não há um casamento, que é uma forma de estabilidade e preparo para a chegada de uma criança, então, é óbvio que a ausência paternal será mais comum. Tudo está interligado”, disse Bispo Renato.
  • “Deus sabe o porquê de cada coisa e Ele criou a família, uma instituição divina e sagrada porque Ele sabe o quanto ela é importante na formação do caráter do ser humano”, reforçou o Bispo Adilson Silva.
Quem passou por isso:

Durante o Entrelinhas, o empresário Eric Klein (foto ao lado), ao lado da esposa, Caroline Brasil, também falou com propriedade sobre o assunto. Erick cresceu sem a presença paterna dentro de casa. Quando ele era pequeno, o pai foi para outro estado para abrir uma empresa e, após um ano, a mãe descobriu que ele tinha outra mulher.

O empresário contou ainda que durante o crescimento dele, a mãe não acompanhava o que acontecia. Por conta disso, na adolescência, Eric se envolveu com coisas e pessoas erradas. Além disso, por anos ele carregou a imagem negativa de que era a cópia do pai.

Por tudo, Eric acreditava que não poderia ser feliz no amor e na vida pessoal. No fundo do poço, após o falecimento do pai e em depressão, sem saber orar, ele dobrou os joelhos e falou com Deus. O empresário chegou à Universal aos pedaços e perdido dentro de si. Contudo, ele entendeu o que precisava para se tornar uma nova criatura.

Caroline, por sua vez, viveu uma vida diferente. Por conta de suas experiências dentro de casa, ela sabe dizer como é importante ter um pai verdadeiramente presente, que faz toda a diferença na vida de um(a) filho(a).

Assista ao Entrelinhas, entenda melhor o assunto e a história completa de Eric:

Santa Ceia do Pai

Participe no domingo, dia 14 de agosto, da Santa Ceia do Pai, às 7h, 9h30 e 18h, no Templo de Salomão, na zona leste da capital paulista, ou em uma Universal mais próxima.


Entrelinhas: ausência paternal
  • Débora Picelli / Fotos: Reprodução 


reportar erro