Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de setembro de 2018 - 00:05


Ele enfrentou 23 anos de ansiedade e vícios em medicamentos e álcool

Veja o que aconteceu a Gilberto depois do Tratamento para a Cura dos Vícios

Nos últimos cinco anos, a venda de medicamentos antidepressivos e estabilizadores de humor aumentou quase o dobro no Brasil, de aproximadamente 47 milhões de comprimidos para cerca de 71 milhões. A informação foi divulgada recentemente pela IQVIA, empresa norte-americana de auditoria e pesquisa de mercado farmacêutico.
O Brasil é o país mais depressivo da América Latina. Quem apontou isso foi a Organização Mundial da Saúde (OMS). A depressão afeta 5,8% dos brasileiros, o equivalente a mais de 11,5 milhões de pessoas. Somos também o segundo país com maior prevalência nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos.
Além do vício em medicamentos, uma pessoa depressiva ou ansiosa, acaba também colocando a sua vida em risco quando faz uso concomitante dos medicamentos com outras substâncias lícitas, como a bebida alcoólica, e outras drogas, a exemplo da cocaína.
Gilberto chegou ao Tratamento para a Cura dos Vícios viciado em álcool e antidepressivo. Por 23 anos, ele se manteve neste mundo da depressão, tentando amenizar o sofrimento com uso de medicamentos e drogas. Nos últimos cinco anos ainda começou a fazer uso também da cocaína.
Perdeu a saúde, sofreu acidentes e teve sua família destruída. Tudo por conta dos vícios. Ele chegou ao extremo ao tentar tirar a própria vida. Mas, a vontade de usar medicamentos, principalmente, permanecia. Foi quando ele decidiu buscar por ajuda. Assista ao vídeo abaixo e veja o que aconteceu a ele depois do Tratamento para a Cura dos Vícios.

A cura pela fé
Um fim foi colocado ao sofrimento que as drogas causavam na vida de Gilberto. Assim como ele, milhares de pessoas, no Brasil e no mundo, procuram pelo Tratamento, a maior clínica para viciados no mundo, sem internações, sem medicamentos e sem custos.
Se você não aceita mais o sofrimento de um familiar ou amigo, ou ainda deseja se libertar dos vícios, as palestras acontecem todos os domingos, na Avenida João Dias, 1800, Santo Amaro, zona sul da capital paulista, às 15h e 18h. Ou procure uma Universal mais próxima de você, clicando aqui, e se informe sobre outros locais do tratamento.
Para outras informações, você pode acessar agora mesmo o site www.viciotemcura.com e entrar em contato diretamente com a equipe do Tratamento pelo WhatsApp


  • Michele Roza / Foto: Reprodução 


reportar erro