Rede aleluia
Ela sofria com bipolaridade e depressão
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 8 de outubro de 2020 - 21:41


Ela sofria com bipolaridade e depressão

Francielli passou a sofrer desses problemas, após o falecimento de seu pai. Conheça a história

Ela sofria com bipolaridade e depressão

Após perder seu pai, Francielli também perdeu o rumo de sua vida. Ela, que já convivia com brigas e traições dentro de casa, também tinha que lidar com os problemas recorrentes da morte dele.

“Eu me sentia culpada por não poder fazer nada. Depois que ele faleceu [piorou]. Meu coração doía, eu ficava acordada a noite inteira, porque eu tinha pesadelos e via vultos”, afirma Francielli. 

Ela passou a sofrer com a bipolaridade, era uma pessoa agressiva, depressiva e não via chances de ser curada. “Por se r enfermeira, eu sabia que medicação não resolvia, porque eu tive familiares depressivos. E mesmo assim, eu buscava meios para preencher o vazio”, relata a jovem.

Em meio a tantos problemas, Francielli foi convidada, pelo namorado, para participar de uma reunião no Templo de Salomão. “Quando cheguei, eu passei muito mal, [na ocasião] eu senti uma vontade de ir embora e sair correndo”, relembra.

Hoje, após um ano e meio, Francielli desfruta de uma vida diferente.

Assista ao vídeo abaixo e saiba como ela está agora:


Ela sofria com bipolaridade e depressão
  • Rafaela Dias / Foto: Reprodução  


reportar erro