Rede aleluia
Dia Internacional da Família: há o que comemorar?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Maio de 2022 - 16:59


Dia Internacional da Família: há o que comemorar?

Existem projetos para alterar como ela é vista na sociedade. Saiba o porquê isso pode ser preocupante

Dia Internacional da Família: há o que comemorar?

Neste dia 15 de maio é comemorado o Dia Internacional da Família, para homenagear esta instituição como núcleo para a formação moral de todos os indivíduos. A data foi definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 20 de setembro de 1993.

Porém, a família tradicional está sob constante ataque.

Entenda o que está acontecendo:

  • Tramita na Câmara dos deputados um Projeto de Lei que quer atualizar o conceito de família.
  • De autoria do deputado estadual Orlando Silva (PCdoB-BA), a PL 3369/15 pretende reconhecer e garantir direitos a uniões homoafetivas e poliafetivas.
  • Ou seja, a união entre duas ou mais pessoas que se baseie no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça.

Por quê você precisa saber disso:

  • O Brasil é um país fundado nas bases dos valores judaico-cristãos.
  • A Constituição Federal prevê o conceito de família no artigo 226 como: “a união estável entre homem ou mulher e a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.
  • A Bíblia, por sua vez, ensina em Gênesis 2:24: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”.
  • Em nota oficial, a União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas) se manifestou contra a PL. “O casamento é, assim, uma instituição criada por Deus, e não tem o Estado prerrogativa de mudar sua forma. Qualquer outro modelo que não reflete o que foi instituído pelo criador não passa de confusão pecaminosa. (…) A UNIGREJAS, desse modo, encoraja às igrejas no Brasil e a todos os cristãos que estejam atentos à movimentação desse malfadado projeto de lei, e perseverem em oração para que não prospere, pois não passa de uma tentativa de trazer equivalência de perversões ao casamento, o santo matrimônio criado por Deus.”, diz a nota (leia na íntegra aqui).

Leia também:

Família e sociedade


Dia Internacional da Família: há o que comemorar?
  • Da Redação / Foto: iStock 


reportar erro