Rede aleluia
Desinformação joga populares contra Universal de São Tomé e Príncipe
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de outubro de 2019 - 18:35


Desinformação joga populares contra Universal de São Tomé e Príncipe

Templos são depredados e igreja é ameaçada por políticos

Desinformação joga populares contra Universal de São Tomé e Príncipe

Nos últimos dias, templos da Igreja Universal do Reino de Deus de São Tomé e Príncipe têm sofrido uma série de graves atentados, a partir da incitação de populares contra a instituição religiosa. Os ataques tiveram início após uma onda de desinformação tomar conta do país africano, com a prisão de um pastor pelas autoridades de Costa do Marfim.

Desde 2018, a Universal costa-marfinense vinha sofrendo agressões pelas redes sociais, com perfis anônimos espalhando ameaças, mentiras absurdas e calúnias sobre os oficiais da igreja e contra a própria instituição.

Em abril, a Polícia Judiciária da Costa do Marfim foi acionada, para que os autores dos crimes fossem identificados e os ataques fossem interrompidos, dentro do que define a Lei de Cybercrime daquele país.

De acordo com o Bispo Gonçalves da Costa, responsável pela Universal nos países africanos de língua portuguesa, “depois de um período de investigação, a polícia identificou quem estava por trás daqueles perfis falsos: um pastor da própria Igreja Universal, um oficial são-tomense que atuava na Costa do Marfim”.

“Quando soubemos que era o pastor o autor dos crimes, ficamos realmente decepcionados. Jamais esperávamos por isso. Nós não entramos com ação contra nenhum pastor, nós não mandamos prender nenhum pastor. Foi a polícia, a Justiça da Costa do Marfim que investigou, abriu o processo e determinou a prisão dele”, explicou o Bispo Gonçalves.

Depois de ser detido em 11/9 pela Justiça costa-marfinense, o pastor foi julgado e condenado a um ano de prisão pelos crimes de usurpação de identidade, difamação, mobilização à revolta, entre outros.

Pressão política

A partir do retorno da esposa desse pastor para São Tomé e Príncipe, teve início um processo político de pressão pela soltura dele, com a participação do Poder Legislativo da ilha africana.

A Universal foi chamada pela Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe e prestou todas as informações, esclarecendo que a Igreja jamais havia pedido a prisão do pastor, pois sequer sabia ser ele o autor dos crimes. A igreja apenas denunciou as agressões e ameaças que vinha sofrendo nas redes sociais, sem saber quem seriam os agressores.

Contudo, inconformados, os deputados definiram um prazo de oito dias para que a Universal de São Tomé e Príncipe libertasse o pastor condenado e preso pela Justiça da Costa do Marfim — o que seria completamente impossível, pois se não foi a instituição religiosa que determinou, ou sequer solicitou a prisão, como poderá determinar a soltura?

Embate político

Diante da instabilidade política, militar, social e jurídica que vive o país, o principal partido da oposição em São Tomé e Príncipe, ADI, responsabilizou membros do Governo e o presidente da Assembleia Nacional pela situação. Além disso, acusa a cúpula de falta de capacidade para continuar a dirigir os destinos da nação e exige a demissão do Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus.

O Governo, por outro lado, culpa as redes sociais por instigar a revolta na população. Ainda assim, promete identificar os culpados. O presidente do país, Evaristo Carvalho, convocou o Conselho Superior da Defesa Nacional, para este sábado, para analisar questões relacionadas com a segurança interna.

Atentados contra templos

A partir das declarações públicas dos políticos são-tomenses, populares passaram a atacar e depredar os templos da Universal na ilha africana. A igreja já solicitou providências às autoridades, para que seja garantida a segurança do corpo eclesiástico e dos fiéis.

Em virtude da onda de ataques, a Universal está retirando os pastores estrangeiros —  angolanos, moçambicanos e brasileiros — que desenvolvem trabalho missionário em São Tomé e Príncipe.

A Igreja Universal do Reino de Deus reitera seu compromisso com o respeito às leis e às autoridades de todos os 128 países, espalhados pelos cinco continentes, onde está formalmente presente. Temos a certeza de que o bom senso prevalecerá e a população local, informada da verdade dos fatos, compreenderá que a Universal não pode determinar a soltura de uma pessoa condenada pela Justiça de um país, por cometer crimes.

Por fim, informamos que a Universal da Costa do Marfim está dando assistência ao pastor que está preso, para que ele possa recorrer à Justiça daquele país, tentando obter a sua liberdade.

Assista ao vídeo com esclarecimentos trazidos pelo Bispo Gonçalves da Costa, responsável pela Universal nos países africanos de língua portuguesa, sobre os acontecimentos em São Tomé e Príncipe.


Desinformação joga populares contra Universal de São Tomé e Príncipe
  • Unicom / Fotos: Reprodução Facebook 


reportar erro