Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 1 de novembro de 2019 - 11:37


Débora era religiosa, mas tinha a vida destruída

Ela só mudou quando venceu o orgulho e decidiu buscar ajuda

Ser adepto de uma religião ou denominação evangélica, não é sinônimo de sucesso, nem de conhecer a Deus. A vida de Débora, de 38 anos, é um exemplo disso.

Mesmo frequentando uma denominação evangélica e tendo um cargo de liderança na igreja, ela tinha o interior destruído, vazio. Além disso, o casamento e a família desunidas.

“Eu falava da Palavra, mas carregava um vazio dentro de mim. Chorava, passava dias na cama com depressão, tinha dores no corpo. Além disso, era agressiva, orgulhosa e frustrada nos meus ideais”, relata.

Ela também nutria ódio e preconceito contra a Universal e o Bispo Edir Macedo. Quando seu marido começou a frequentar a igreja, ameaçou terminar o relacionamento.

“Não aceitava o fato de ele estar na Universal. Lembro que o fiz escolher: eu ou a igreja. Ele estava muito certo de sua fé e disse que eu podia ir embora. Naquele momento, me desesperei. E a fé – que eu tinha – não me sustentou”, relembra.

Início da mudança

Ela não imaginava, porém, que essa situação a faria ceder e ir ao lugar que ela tanto criticou. Estava decidida a provar se tudo o que era dito no Altar da Universal era mesmo verdade.

“Chegando lá, recebi uma oração e foi como se um peso saísse de cima de mim. Me senti leve, em paz e com a certeza de que viveria uma nova história”, diz.

Veja no vídeo abaixo como seu relato termina:

Se está em busca de ter uma nova vida, vá à Universal mais próxima e viva a mesma mudança que Débora.

Caso esteja em São Paulo, participe de uma reunião no Templo de Salomão, localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no Brás, zona leste da capital paulista.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: Reprodução 


reportar erro