Rede aleluia
COVID-19: prostitutas e garotos de programa recebem ajuda humanitária
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de julho de 2020 - 19:06


COVID-19: prostitutas e garotos de programa recebem ajuda humanitária

Voluntários circulam ruas de SP distribuindo álcool em gel, máscaras e cestas básicas a quem vive da prostituição

COVID-19: prostitutas e garotos de programa recebem ajuda humanitária

Tendo a prostituição como a única fonte de renda, garotas de programa e travestis não conseguem obedecer à quarentena e ficam expostos ao risco de contágio pela COVID-19. Com o objetivo de ajudar na prevenção da doença, o EVG Night – programa social da Igreja Universal do Reino de Deus – incrementou as visitas a pontos específicos de meretrício, em todo Brasil, para prestar assistência social ao grupo.

Kits com álcool em gel e máscara são distribuídos todas as sextas-feiras pelos voluntários do programa social. Além disso, desde o início da quarentena, cerca de mil cestas básicas foram entregues para prostitutas que enfrentam maior dificuldade financeira.

“Sem recursos nesta época de pandemia, muitas têm visto na prostituição a única forma de tirar o sustento e de saída para os problemas. Nos mobilizamos para ajudar porque entendemos a importância e a necessidade de um amparo social para elas neste momento”, explica Francisco de Assis Pedrosa Júnior, responsável pelo EVG Night.

Dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) apontam que 90% da população trans tem a prostituição como fonte de renda.

 Realidade difícil

Na cidade de São Paulo, o EVG Night realiza, todas as sextas-feiras, o trabalho social nos bairros Indianópolis, Santana e Barra Funda.

Uma voluntária, que preferiu não se identificar, foi uma das pessoas ajudadas pelo grupo quando atuava como garota de programa no bairro de Indianópolis. Ela viveu durante 1 ano e meio no mundo da prostituição e afirma “foi a pior época da minha vida”.

“Eu estava em uma situação complicada, vivendo em um lugar que não era apropriado e minha vida estava em risco. Infelizmente, a sociedade não olha com preocupação e, sim, descaso. Mas, através dos integrantes da EVG Night, recebi a oportunidade que ninguém havia me oferecido: de mudar de vida. Eles me ajudaram a conseguir um emprego que me proporcionou muitos aprendizados e uma moradia adequada”, relata a voluntária.


COVID-19: prostitutas e garotos de programa recebem ajuda humanitária
  • Unicom / Fotos: Cedidas 


reportar erro