Rede aleluia
Covid-19: mais de 4,9 milhões de recuperados no Brasil
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de novembro de 2020 - 00:05


Covid-19: mais de 4,9 milhões de recuperados no Brasil

Apesar de novos casos da doença, número de mortes desacelera, mas a pandemia não acabou e é preciso manter a proteção para que os óbitos continuem a diminuir

Covid-19: mais de 4,9 milhões de recuperados no Brasil

O Ministério da Saúde divulgou, no dia 1º de novembro, que 89,8% dos pacientes com Covid-19 se recuperaram da doença. Até a data da divulgação, a enfermidade já tinha acometido mais de 5,5 milhões de brasileiros e mais de 4,9 milhões deles já estavam recuperados. O número de mortos foi de mais de 160 mil até a data do último boletim divulgado pelo órgão oficial da saúde.

O Brasil está em segundo lugar no total de recuperados do mundo, atrás apenas da Índia – que está na frente em número de casos (8,18 milhões de infectados e 4,4 milhões de recuperados).

O relatório do Ministério da Saúde registra que há 2,3 mil mortes em investigação no momento, para saber se a causa foi a Covid-19.

Cuidados continuam
Os números são otimistas, mas isso não significa que a pandemia acabou – não é aconselhável afrouxar as medidas de proteção. Ainda é preciso usar máscara, manter as mãos sempre limpas lavando-as ou usando álcool em gel, evitar aglomerações, higienizar compras e lugares de uso coletivo, entre outros cuidados. Só assim o contágio pode ser contido e as mortes podem continuar a diminuir enquanto não existir a vacina.

Comorbidades
É preciso não só se proteger, mas também isolar e cuidar das pessoas com problemas de saúde ou certas condições temporárias (mulheres grávidas, em período de pós-parto ou indivíduos com imunidade menor em período pós-operatório, por exemplo), que são as pessoas que integram o grupo das comorbidades. Elas são mais vulneráveis ao novo coronavírus, pois podem morrer mais facilmente ou terem sequelas mais graves.

O boletim do Ministério identificou as principais comorbidades, tomando como exemplo os dados do Estado de São Paulo. Doenças no coração respondem por mais da metade (59,8%) das mortes de pacientes paulistas de Covid-19, seguidas pela diabetes mellitus (43,2%), doenças neurológicas (10,9%), renais (9,6%), doenças dos pulmões (8,3%), obesidade (8,1%), imunodepressão (5,5%), asma (3%), doenças do fígado (2,1%), problemas no sangue (1,7%), síndrome de Down (0,5%), período pós-parto (0,1%) e gravidez (0,1%).

No total, 80,4% das pessoas que morreram por Covid-19 no Estado apresentavam uma ou mais de uma dessas condições.

Reabertura segura
Infelizmente, com a reabertura gradual das atividades profissionais e de lazer, muitas pessoas acham que tudo está bem e que a pandemia não oferece mais perigo, mas o número de recuperados só foi positivo porque a maioria delas tomou os cuidados necessários nos últimos meses. Se os cuidados continuarem a ser mantidos, com cada indivíduo seguindo todas as medidas de segurança, mais notícias boas podem vir, embora parte da mídia goste de mostrar apenas o lado ruim da situação.

Refrear a Covid-19 não depende só dos governos. De nada adianta ter os melhores gestores do mundo se a própria população não tomar, individualmente, todos os cuidados necessários.


Covid-19: mais de 4,9 milhões de recuperados no Brasil
  • Marcelo Rangel / Foto: Getty images 


reportar erro