Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de julho de 2018 - 03:05


Conheça os desafios da Universal na Holanda

No país há 25 anos, o trabalho evangelístico não para de crescer em diversas cidades

A Holanda é um país europeu e, como a maioria deles, oferece farta cultura, belezas naturais, além de ser conhecida por apresentar um dos maiores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do planeta. Pesquisas indicam que mais da metade da população é cristã. Mas, na prática, talvez não seja uma nação que dê muito crédito ao cristianismo.

De acordo com o Pastor João Pedro Afonso Saraiva, responsável pela Universal no país, muitas crianças aprendem desde cedo a ideia da inexistência de Deus. “A maioria das famílias ensina que as pessoas podem tudo sem Deus. Basta estudar e se formar para ter segurança, já que o salário mínimo é alto. Isso, com certeza, cria uma resistência ao Evangelho”, diz.

Mas nem o alto conhecimento e a formação têm sido suficientes para ajudá-los a vencer a doença da alma: a depressão. Não faltam notícias do aumento do número de casos, fazendo com que muitas pessoas até procurem brechas na lei para praticar a eutanásia (suicídio assistido), que foi legalizada no país em 2002.

As drogas também são permitidas, o que faz boa parte da população encarar o uso como uma escolha. “Certa vez, abordei um viciado em drogas e álcool e falei que ele podia se livrar dos vícios. Ele me respondeu friamente: ‘isto não é um vício, é uma opção de vida’”, lembra o Pastor João Pedro.

Apoio

A história de Melledy, de 47 anos (foto a dir.), era mais um exemplo de quem teve a família destruída por causa dos vícios. Alcoólatra e fissurada pelo trabalho, ela deixou o relacionamento com a filha adolescente de lado. “Não tive condições financeiras na juventude e, por isso, não queria que faltasse nada para ela. Trabalhava muito, dava tudo materialmente, mas não percebi que ela precisava de mim”, diz.

Com a ausência da mãe, Sharon, de 20 anos (foto a dir.), cresceu agressiva, cheia de conflitos e magoada com os pais. Também passou a beber e praticava pequenos furtos, roubava até a própria mãe. “A falta de atenção materna teve um efeito negativo: eu brigava com todos, cheguei a quase empurrar meu pai da escada e quase bati no rosto da minha mãe. Com o passar do tempo, perdi o prazer de viver e me trancava no quarto. Minha mãe até tentou reverter a situação e me dar amor, mas eu não aceitava”, lembra Sharon.

Foi assim que ambas chegaram à Universal e descobriram como resolver esses problemas. “Recebi o apoio necessário para restaurar nossa relação. Nosso vínculo de mãe e filha está tão próximo que basta uma olhar para a outra para saber o que queremos dizer”, afirma Melledy.

Há 25 anos, a Universal mantém um trabalho evangelístico na Holanda, onde existem dez Igrejas e 11 núcleos em várias cidades. Recentemente, mais um templo foi inaugurado com a presença de dezenas de pessoas. Depois de 20 anos de luta, as portas foram abertas na cidade de Utrecht.

Segundo o Pastor João Pedro, ao longo desse tempo, muitos obstáculos burocráticos foram enfrentados para a abertura das Igrejas. “Mas Deus abriu uma porta de maneira poderosa e tudo deu certo.”

Durante a inauguração, foi notório o poder de Deus por meio de curas e libertações. Muitos entregarem as suas vidas ao Senhor Jesus Cristo naquele momento.


  • Por Rafaella Rizzo / Fotos: Cedidas 


reportar erro