Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de julho de 2018 - 03:05


Conheça as novas regras para o uso do cheque especial

46% dos brasileiros utilizam esse tipo de crédito todos os meses

O mês de julho trouxe mudanças para o mercado financeiro. A instituição de novas regras para o uso do cheque especial, em vigor desde o dia 1º, foi uma delas. A iniciativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) tem o objetivo de auxiliar os consumidores a aproveitarem essa modalidade de crédito de forma adequada e evitar a inadimplência.

Apesar de ser uma das linhas de crédito com os juros mais altos do mercado, entre 11% e 12% ao mês (324,7% ao ano), o cheque especial é muito usado pelos brasileiros por ser pré-aprovado e de fácil acesso.

Segundo uma pesquisa recente feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em 27 capitais brasileiras, 17% dos consumidores utilizaram cheque especial nos últimos meses e 46% têm o hábito de usá-lo sempre. As principais razões para o uso, de acordo com o levantamento, são imprevistos com doenças e medicamentos (34%), pagamentos de dívidas atrasadas (23%), imprevistos com automóvel/moto (18%) e descontrole no pagamento de contas (17%). Contudo, apesar dos juros elevados, 45% dos entrevistados contam que não analisaram as tarifas e 63% nem sequer conheciam essas taxas. Além disso, alguns consumidores usaram o cheque especial sem saber que se tratava do crédito, pois o valor disponível aparecia na conta bancária e era confundido com o saldo total.

Vantagens?

Para a educadora financeira Cintia Senna, do Grupo DSOP, essas mudanças vão beneficiar apenas os consumidores que não usam o serviço com frequência. “Eu posso parcelar minha dívida e o serviço vai continuar lá. Se eu não mudar os meus hábitos e não cancelar o cheque especial, em pouco tempo estarei usando de novo. E isso pode gerar uma bola de neve.”

A possibilidade de parcelamento da dívida só serve para quem ficou por mais de 30 dias utilizando 15% do seu limite. Por exemplo: se uma pessoa tem R$ 1 mil de cheque especial e usa mais de R$ 150, mas não excede os 30 dias sem pagar, ela não terá direito ao parcelamento. Se ficar devendo além dos 30 dias, o banco oferecerá uma opção de parcelamento com uma taxa menor. Nesse caso, cada instituição definirá as próprias taxas.

“O parcelamento é similar ao do cartão de crédito, quando a pessoa paga o mínimo e parcela o restante. As pessoas devem avaliar se vão aceitar ou não e, de preferência, cancelar logo o cheque especial para não correr o perigo de utilizá-lo de novo e, por conta disso, precisar de outro parcelamento”, explica Cintia.

A educadora financeira esclarece que o uso do cheque especial não é uma boa alternativa, pois facilita os gastos por impulso e seu uso, quase sempre, é feito sem um objetivo definido. “Se tiver cartão de crédito, utilize-o no lugar do cheque especial ou procure outras alternativas mais baratas, como empréstimo pessoal ou consignado.”

Ela lembra de uma regra de ouro: se você tem cheque especial e não precisa, cancele. Se precisar, delimite sempre um valor mínimo de uso.


  • Por Katherine Rivas / Foto: Fotolia / Arte: Eder Santos 


reportar erro