Rede aleluia
Como será a sua vida depois dos 60 anos?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de outubro de 2020 - 00:05


Como será a sua vida depois dos 60 anos?

Envelhecimento saudável depende de escolhas diárias ao longo da vida e prevenção. Saiba como se preparar para esta fase da vida e minimizar possíveis problemas

Como será a sua vida depois dos 60 anos?

Você já parou para pensar que idoso você quer ser no futuro? Como será a sua vida depois dos 60 anos? Se ainda não fez isso, este é um bom momento para refletir. No dia 1º de outubro o Brasil comemorou o Dia do Idoso, data instituída em 2003, quando o Estatuto do Idoso entrou em vigor.

Atualmente, a expectativa de vida em nosso país gira em torno de 76,3 anos, segundo dados de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso representa um salto de mais de 30 anos em relação a 1940, quando a expectativa era de apenas 45,5 anos.

Mas não adianta só pensar em idade cronológica, explica a médica geriatra e psiquiatra Roberta França. “Hoje nós trabalhamos com funcionalidade, que é como o seu corpo vai funcionar ao longo do envelhecimento. Há idosos de 95 anos que viajam, caminham, têm autonomia e outros de 70 anos que estão em uma cadeira de rodas”, exemplifica.

Segundo ela, o envelhecimento depende em boa parte das escolhas que fazemos ao longo da vida. “Precisamos entender que o envelhecimento é um processo. Por isso, é fundamental pensar em prevenção antes mesmo do surgimento de doenças”, esclarece.

Algumas mudanças mais significativas começam a ser sentidas a partir dos 50 anos. “Temos uma diminuição do metabolismo, percebemos algumas questões relacionadas à lentificação dos movimentos, à perda de massa magra e ao ganho de massa gorda, mas não adianta brigar com a idade é preciso ser amigo dela, compreender que há perdas e ganhos”, diz Roberta França.

O médico geriatra Norton Sayeg alerta que é importante diferenciar as mudanças normais das enfermidades que precisam ser tratadas.

“As pessoas confundem o que é normal com o que é comum. Perda de memória não é normal na terceira idade, mas é algo comum, que deve ser investigado. Em alguns casos, pode ser revertida com tratamento médico. A perda de audição também não é normal e, em alguns casos, pode ser resolvida de forma simples, com uma lavagem, que vai melhorar a qualidade de vida”, afirma ele, que é fundador da Associação Brasileira de Alzheimer e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Ele acrescenta que algumas doenças são silenciosas. “O segredo é manter hábitos saudáveis e fazer acompanhamento médico ao longo da vida. Há doenças como a hipertensão e o diabetes em que o paciente não sente nada durante anos. Quando ele tem sintomas, a doença já está avançada e pode trazer complicações”, destaca.


Como será a sua vida depois dos 60 anos?
  • Rê Campbell / Arte: Edi Edson 


reportar erro