Rede aleluia

Notícias | 22 de junho de 2018 - 03:05


Como saber se seu nome está sujo

Veja como consultar os cadastros de SPC, Serasa, SCPC e CCF

Quase 60 milhões de pessoas estão com o nome negativado nos cadastros do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Esse gigantesco número equivale a 29% dos brasileiros.

Para quem não sabe, as empresas podem incluir o nome e o CPF de um cliente nos bancos de inadimplência a partir do dia seguinte ao vencimento de uma conta não paga. Isso raramente acontece, pois as empresas preferem alertar o cliente antes de cadastrá-lo no SPC, no Serasa, no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) ou no Cadastro de Emitentes de Cheque sem Fundo (CCF) – principais órgãos de orientação aos credores.

A crise financeira dos últimos anos e a falta de emprego que atinge 27,7 milhões de pessoas (de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE) fizeram com que a inadimplência crescesse no país. Entretanto, muitas vezes o próprio inadimplente não sabe se está com o “nome sujo”.

Para essa informação, cada banco cadastral tem uma orientação diferente. Conheça-as:

SPC

O serviço mais popular de proteção ao crédito do país oferece duas maneiras gratuitas de saber se o seu nome consta em seus cadastros. A primeira é em suas agências físicas. Consulte os endereços clicando aqui.

A segunda é via aplicativo para smartphones que utilizam sistema operacional Android. O nome do app é SPC Consumidor.

Serasa

Já a Serasa Experian permite que o cidadão consulte seu CPF tanto no site da instituição quanto no app, disponível para Android e iOS.

Com essas ferramentas o usuário pode saber qual empresa cadastrou o débito.

SCPC

O SCPC também permite que os brasileiros consultem seu CPF via aplicativo, nesse caso o GuiaBolso, disponível para iOS e Android. Basta acessar a ferramenta “Radar CPF” no app para ter acesso aos seus dados cadastrados.

CCF

Por fim, o CCF só pode ser consultado pessoalmente nas agências do Banco Central (BC) ou em instituições financeiras. Essa informação deve ser transmitida gratuitamente. Para conhecer os endereços do BC clique aqui.


  • Por Andre Batista / Imagem: iStock 



reportar erro